Indústria de bebidas ignora crise e cresce 5%

Mais dinheiro no bolso dos consumidores e um verão ensolarado garantiram à indústria de bebidas um bom desempenho em meio à derrocada industrial. Enquanto a produção industrial total do País despencou cerca de 15% em abril na comparação com o mesmo mês de 2008, os fabricantes de bebidas registraram alta de 5%, de acordo com o IBGE. O economista da coordenação de indústria do instituto, André Macedo, disse que o bom desempenho vem sendo puxado especialmente por produtos como cerveja e refrigerante, que registram expansões mensais em torno de 10% em comparação com o ano passado. Ele atribui a expansão à manutenção de crescimento da renda, fator determinante para os resultados de bens de consumo não duráveis, como as bebidas. O gerente de Relações com Investidores da AmBev, Michael Findlay, acredita que o desempenho da indústria de cerveja e refrigerantes tenha destoado tanto da indústria em geral no início de 2009 porque esse é um segmento com maior estabilidade. "Quando a indústria cresce 20%, nunca acompanhamos esse patamar, mas também não caímos tanto em momentos de crise", diz.Segundo Findlay, o aumento do salário mínimo, o clima favorável e o fato de o carnaval ter sido realizado duas semanas mais tarde do que no ano passado, prolongando as férias, foram determinantes para o bom desempenho do setor, mas o "fator renda" representou a principal influência positiva. Ele avalia que o cenário ainda é positivo e só será alterado em caso de efeitos mais graves da crise no desemprego. No primeiro trimestre, as vendas de cerveja da AmBev subiram 7,6% em relação ao mesmo período de 2008, enquanto as vendas de refrigerantes cresceram 12,6%. A Coca-Cola Brasil também diz não ter sentido os efeitos da crise. Após uma expansão de 7% nas vendas em 2008, a empresa contabilizou incremento de 4% na comercialização de seus produtos no primeiro trimestre. "O consumo de bebidas está muito ligado à renda das famílias. Apesar da crise, a renda não sofreu uma queda tão expressiva, que mudasse o hábito de nossos clientes", justifica Marco Simões, vice-presidente de comunicações e sustentabilidade da empresa. Ele ressalta que o desempenho do mercado brasileiro ficou bem acima do mundial, que entre janeiro e março deste ano cresceu 2%. Confiante na manutenção do crescimento do mercado, a empresa manteve seu plano de investimentos. Ao todo, o chamado Sistema Coca-Cola, que inclui franqueados autorizados a produzir os produtos da marca, investirá R$ 1,75 bilhão em 2009, valor 16,6% superior ao de 2008. "Esse montante inclui a abertura de duas novas fábricas e a expansão de linhas de produção já existentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.