Indústria de máquinas deve fechar 2012 com déficit histórico de US$ 20 bi

No acumulado do ano até julho, o déficit para o setor foi de US$ 10,541, uma alta de 2,5% na comparação com o mesmo período de 2011 

Beatriz Bulla, da Agência Estado,

29 de agosto de 2012 | 17h15

SÃO PAULO - O setor de máquinas e equipamentos deve fechar o ano de 2012 com déficit comercial de US$ 20 bilhões, segundo informou nesta tarde a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). No acumulado do ano até julho, o déficit para o setor foi de US$ 10,541, uma alta de 2,5% na comparação com o mesmo período de 2011.

De acordo com o vice-presidente da Abimaq, Carlos Pastoriza, caso a projeção se confirme, será o maior déficit já registrado pelo setor. Em 2011, a indústria de máquinas e equipamentos teve saldo comercial negativo de US$ 17,8 bilhões. "Poderá ser um pouco menor se o Brasil não se recuperar e, por conta disso, houver um consumo de máquinas menor no último semestre do que o esperado", afirmou, em coletiva de imprensa.

Ele explicou que, caso a economia não se recupere a ponto de estimular a demanda de máquinas e equipamentos, as importações devem diminuir, o que implicaria um menor déficit."A velocidade de crescimento do déficit da balança está diminuindo, mas não é por uma vitalidade nossa. É porque o consumo de máquinas no Brasil está dando uma freada forte há três meses", disse Pastoriza, em coletiva de imprensa, reiterando que os importados estão tomando conta do mercado interno.

A expectativa da Abimaq é de que a economia retome fôlego a partir do quarto trimestre deste ano, como resultado das medidas do governo federal."As medidas anunciadas anteriormente que incluíam financiamentos com juros em condições interessantes pelo Finame e desoneração da folha de salários terão efeito positivo mais a curto prazo, mas são medidas que começaram a valer esse mês", disse Pastoriza, que completou: "Poderemos sentir um efeito positivo a partir do quarto trimestre desse ano".

Reunião com Mantega

O presidente da entidade, Luiz Aubert Neto, está hoje em Brasília, onde se reuniu com o ministro da Fazenda Guido Mantega. De acordo com Pastoriza, a Abimaq leva ao governo os números mais recentes que mostram que o setor já fechou quase 10 mil postos de trabalho desde outubro de 2011. Em julho, 254.361 pessoas estavam empregadas na indústria de máquinas e equipamentos, uma queda de 3,2% na comparação com o mesmo mês de 2011. "O que estamos levando para o ministro são os últimos números, mostrando esse processo recessivo de vários de nossos segmentos e mostrando que estamos há nove meses seguidos demitindo", afirmou.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) do setor fechou o mês de julho em 76,0%, ante 76,6% em junho. Segundo Pastoriza, o governo precisa atentar para o fato de que quase 1/4 da indústria de máquinas e equipamentos está ociosa."As medidas que o Brasil precisa são medidas de longo prazo. Como não há condições de esperar o longo prazo, então vocês (governo) vão ter de tomar medidas de curtíssimo prazo", disse o vice-presidente.

A solução apontada pela Abimaq para reverter o quadro é mexer no câmbio, juros, impostos, Custo Brasil e investir na defesa comercial. "Nós não acreditamos em protecionismo, mas estamos vivendo um momento de emergência", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Abimaqindústria de máquinasdéficit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.