Filipe Araújo/Estadão
Filipe Araújo/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Indústria de SP tem o pior desempenho em cinco anos, diz Fiesp

Quase 60% das indústrias paulistas avaliaram a atividade econômica do 2º semestre de 2014 como pior que a do mesmo período de 2013, o maior porcentual desde 2009

Carla Araújo, O Estado de S. Paulo

21 de janeiro de 2015 | 11h13

 SÃO PAULO - O desempenho da indústria paulista no segundo semestre de 2014 foi pior em termos de atividade econômica para 58,2% das empresas avaliadas pela Federação e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), segundo levantamento Rumos da Indústria Paulista, divulgado nesta quarta-feira. É o pior balanço desde 2009, quando se iniciou a sondagem. 

De acordo com a pesquisa - que teve como tema o balanço do ano passado e expectativas para 2015-, para 21% dos entrevistados o segundo semestre teve um desempenho igual ao mesmo período de 2013. Outros 19,6% disseram ter sido melhor.

O levantamento, que ouviu 424 indústrias, mostrou ainda que o volume da produção das indústrias paulistas teve queda ou queda acentuada nos últimos seis meses de 2014 para 58,7% das empresas consultadas. 

Para o diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon), Paulo Francini, a indústria está em uma condição muito ruim tanto no desempenho do semestre passado como nas expectativas de futuro.  

A contratação de novos empregados por parte da indústria paulista deve ser menor no primeiro semestre deste ano na comparação com os seis primeiros meses de 2014. Segundo o estudo, 84,4% dos entrevistados não pretendem contratar nos primeiros seis meses do ano, o pior resultado desde 2010.

Queda nas vendas. Com relação às vendas no mercado interno, 59,6% das empresas informaram queda ou queda acentuada, enquanto 50,3% das companhias exportadoras também anotaram redução em suas vendas externas. 

Produção e vendas no mercado interno também registraram os piores resultados desde 2009. Em relação às exportações, o resultado só não foi pior do que 2009, quando 59,1% das empresas indicaram queda ou queda acentuada.

A pesquisa apurou também que em relação às expectativas para o primeiro semestre deste ano, 39,1% dos empresários acreditam que seu volume de produção será igual em comparação com o primeiro semestre de 2014. Já 36,3% dos entrevistados esperam queda ou queda acentuada no período. 

Em relação às vendas no mercado interno, 36,8% esperam queda ou queda acentuada, enquanto 35,6% acreditam que as vendas serão iguais em comparação com igual período de 2014. 

Para as exportações, 40,2% das empresas acreditam que o movimento será igual no primeiro semestre de 2015 ante o mesmo período de 2014. Para 30,2% das empresas avaliadas a projeção é de queda nas vendas externas. 

Tudo o que sabemos sobre:
industriafiesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.