Indústria diminui ritmo de produção em agosto empresas continuam a demitir

Após ensaiar recuperação em julho, agosto registrou queda no número de horas trabalhadas e no uso da capacidade instalada da indústria, informa a CNI

Renata Veríssimo, Agência Estado

01 de outubro de 2014 | 11h08

Em agosto, a indústria operou com ritmo de produção abaixo do registrado em julho, quando a atividade havia crescido e interrompido uma série de quatro meses de queda. “Em agosto, mesmo com mais dias úteis que julho, houve queda na atividade industrial”, disse o economista da CNI, Fábio Guerra, ao lembrar que julho teve menos dias úteis afetados pela Copa do Mundo do que junho.

A queda da atividade foi percebida nas horas trabalhadas na produção e na utilização da capacidade instalada, conforme os indicadores industriais de agosto, divulgados nesta quarta-feira, 1, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Segundo o gerente executivo de política econômica da CNI, Flávio Castelo Branco, a trajetória de forte queda das horas trabalhadas e da utilização da capacidade instalada, que são mais relacionados à atividade industrial, estão muito semelhantes desde o começo do ano. “Isso comprova o fraco desempenho da indústria, principalmente, devido à dificuldade dos produtos brasileiros competirem com os estrangeiros, menor consumo das famílias e a queda nos investimentos”, explicou.

A indústria operou em agosto 1,8 ponto porcentual abaixo do nível de agosto do ano passado. Comparando a média de janeiro a agosto com o mesmo período de 2013, há uma queda na capacidade instalada de 1,5 ponto porcentual.

O nível de utilização da capacidade instalada da indústria de transformação atingiu 80,5% em agosto, abaixo de julho, quando estava em 81%.

Como resposta à atividade fraca, avaliou a CNI, as empresas continuam a demitir. O indicador de emprego teve em agosto a sexta queda consecutiva em relação ao mês anterior.

As horas trabalhadas também tiveram queda de 0,8% em agosto ante julho, e de 5,7% na comparação com o mesmo mês de 2013. De janeiro a agosto, o indicador apontou uma queda de 2,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

A CNI também registrou uma piora de 0,8% no nível de emprego do setor industrial em agosto ante julho. Em relação a agosto de 2013, houve um recuo de 1,7%. No entanto, entre janeiro e agosto deste ano, comparado com o mesmo período de 2013, o nível de emprego cresce 0,3%.

A CNI destacou que embora o faturamento tenha crescido 1,1% em agosto ante julho, na comparação com agosto de 2013 sofreu uma forte queda, de 8,8%. "Ou seja, as altas de agosto e julho não foram suficientes para recolocar o indicador no patamar em que se encontrava há um ano", disse a CNI no documento Indicadores Industriais.

Tudo o que sabemos sobre:
industriacni

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.