Indústria dos EUA pressiona por pacote mais forte na OMC

O setor manufatureiro norte-americanonão irá apoiar um compromisso proposto nas conversações daOrganização de Mundial do Comércio a menos que países emdesenvolvimento como Brasil, Índia e China concordem em cortarfortemente tarifas chaves no setor industrial, afirmou um líderdo setor neste sábado. "Se eles não se comprometerem com alguns setores, eu nãovejo maneiras de contornar isso", disse Frank Vargo,vice-presidente da Associação Nacional de Manufaturas, àReuters um dia após um acordo elaborado por Pascal Lamy da OMCquebrar um impasse na demorada Rodada Doha. Ministros do Comércio estão em Genebra tentando finalmentechegar a um acordo após sete anos de negociações sobre cortesde subsídios e tarifas em produtos agrícolas e industriais. O setor manufatureiro norte-americano procura participar deforma decisiva nas considerações parlamentares de qualquerpacote da Rodada de Doha. Montadoras e indústrias têxteis já alertaram que podem seopor a acordos. O plano de compromisso para cortar todas as tarifas nospaíses em desenvolvimento é "tão fraco" que as indústriasnorte-americanas só pode apoiar o pacote se os principaismercados emergentes se juntarem às negociações e cortarem parazero tarifas em setores específicos, como eletrônicos emaquinaria industrial, afirmou Vargo. (Reportagem de Doug Palmer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.