finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Indústria eleva previsão de exportação de carne de frango do Brasil

As exportações de carne de frango do Brasil devem crescer entre 3% e 4% em 2014, ante estimativa anterior de alta de 2% a 2,5 %

REUTERS

16 de julho de 2014 | 16h13

As exportações de carne de frango do Brasil devem crescer entre 3 e 4 por cento em 2014, ante estimativa anterior de alta de 2 a 2,5 por cento, impulsionadas pelo fortalecimento das vendas para a China e a Venezuela, além da consolidação dos embarques para Hong Kong, disse nesta quarta-feira o vice-presidente para aves da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin.

"Esta demanda é puxada pela Ásia. Os embarques melhoraram, com a habilitação de cinco plantas e outras devem ser habilitadas... Também teve a retomada de volumes para a Venezuela", declarou Santin.

O Brasil é o maior exportador global de carne de frango.

A expectativa da entidade é que mais sete plantas de aves --totalizando 29 plantas--, e uma de suínos sejam habilitadas a exportar para o mercado chinês ainda neste semestre.

Segundo ele, as plantas já foram visitadas, aprovadas e estão na fase final para liberação dos embarques.

Além do cenário favorável nesses mercados, Santin observou que cerca de 30 mil a 35 mil toneladas que deixaram de ser embarcadas em junho, em função de chuvas que interromperam as operações portuárias no Sul do país, também foram embarcadas a partir de julho.

"Não fosse este problema no Sul, o crescimento das exportações no primeiro semestre teria sido de 2 por cento", disse Santin.

A indústria também se prepara para um segundo semestre mais firme no mercado interno, com os alojamentos e preparativos para as festas de fim de ano, que tradicionalmente alavancam as vendas no período.

CUSTOS ESTÁVEIS

O cenário positivo é complementado pela perspectiva de uma estabilidade nos custos de produção ao longo deste ano, disse o presidente da ABPA, Francisco Turra.

"O que se percebe é que, como um todo, há uma estabilidade. No ano passado, os preços subiram às nuvens, com o milho subindo 100 por cento. Este ano o que a gente vê é estabilidade. As exportações do milho não tiveram o ritmo que poderiam ter", disse Turra.

"A safra americana é muito boa e a do Brasil também se desenha muito bem. Não vemos problemas neste ano."

(Por Fabíola Gomes)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSFRANCOEXPORTACOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.