Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Indústria paulista bate recordes em outubro

?Desempenho surpreendeu pelo vigor?, diz Paulo Francini, da Fiesp

Paula Puliti, O Estadao de S.Paulo

30 de novembro de 2007 | 00h00

O Indicador do Nível de Atividade (INA), apurado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), subiu 2,7% em outubro ante setembro, com ajuste sazonal. Foi o melhor resultado desde maio de 2006 (5,6%). Sem ajuste, a alta foi de 5% no mesmo período (melhor resultado desde maio de 2007, que teve alta de 10,4%). Na comparação com outubro de 2006, o INA subiu 9,4%. No acumulado de janeiro a outubro, a alta do indicador foi de 5,7% em relação ao mesmo período do ano passado. O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) de outubro subiu para 84,1%, ante 83% em setembro, e foi o segundo melhor da série, perdendo apenas para agosto de 2004 (84,2%). O levantamento de conjuntura mostra que as vendas reais subiram 4,2% na margem, sem ajuste sazonal. O salário médio real cresceu 2,2%, na mesma base de comparação.Segundo o diretor do Departamento de Pesquisas Econômicas da Fiesp, Paulo Francini, o desempenho da atividade industrial paulista em outubro surpreendeu pelo vigor. De acordo com Francini, já havia uma expectativa de que outubro seria melhor que setembro por causa de um maior número de dias úteis. Mas o comportamento foi "muito melhor do que o esperado". Com os dados de outubro em mãos, a Fiesp acredita que o INA encerrará o ano em 5,3%. Para o diretor da Fiesp, o momento atual da indústria é bastante satisfatório, com a indústria paulista crescendo 4,9% em 12 meses encerrados em outubro. "A indústria está investindo, o setor de bens de capital bate recordes e o empresário está otimista." Francini admitiu que existe um certo temor em relação ao aprofundamento da crise no mercado imobiliário dos Estados Unidos. Mesmo assim, ainda não é possível saber como será o desenlace dessa situação. Um dos maiores destaques da pesquisa da Fiesp em outubro foi o aumento de 3,5% das horas trabalhadas na produção. Foi a maior alta da série iniciada em janeiro de 2001. "Isso mostra que nunca se trabalhou tanto",disse Francini.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.