Indústria paulista puxou para baixo a retomada

Em São Paulo, o crescimento foi de apenas 0,3%, em contraste com o avanço de 6% da indústria do Rio e de 4,4% em Minas Gerais

O Estado de S.Paulo

16 Junho 2018 | 04h00

Ao contrário do que vinha ocorrendo nos últimos meses, a indústria paulista fraquejou em abril, tornando menos vistosa a recuperação registrada no período pela indústria brasileira.

É um sinal das limitações da retomada econômica em curso, especialmente tendo em vista que o resultado se refere ao período anterior ao da greve dos transportes que afetou o conjunto da economia.

A indústria cresceu em 10 dos 15 locais objeto da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física Regional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) referente a abril.

Em São Paulo, o crescimento foi de apenas 0,3%, em contraste com o avanço de 6% da indústria do Rio, de 4,4% em Minas Gerais e de 5,6% na Região Nordeste. Na Bahia, a alta foi de 7%. Também cresceram as indústrias do Paraná, do Rio Grande do Sul, de Pernambuco, de Santa Catarina e do Espírito Santo, enquanto declinaram as de Pará, Amazonas, Goiás, Ceará e Mato Grosso.

A evolução lenta de São Paulo poderá comprometer os resultados do segundo trimestre, ou seja, o período mais afetado pela interrupção ou redução da produção decorrente da paralisação dos transportes rodoviários. O crescimento industrial registrado em quase todo o País na comparação com 2017 deverá persistir, mas o ritmo será mais lento.

Entre abril de 2017 e abril de 2018, o setor industrial avançou 8,9%, liderado por São Paulo, com crescimento de 14,8%. Veículos automotores, reboques e carrocerias, produtos alimentícios e máquinas e equipamentos puxaram a recuperação da indústria paulista. Mas num dos segmentos mais fortes do parque industrial (as montadoras) a produção caiu em maio.

O impacto da greve não atingiu somente a indústria, estendendo-se para a agricultura e para as exportações, cujos números são conhecidos com menor defasagem.

O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 vem sendo revisado para baixo pelos departamentos econômicos que contribuem para a Pesquisa Focus, do Banco Central, que já aponta evolução inferior a 2%.

É possível que a indústria só volte a mostrar números melhores no segundo semestre.

O mais importante, nessa hipótese, é acompanhar de perto a evolução do setor industrial em São Paulo, que costuma liderar as retomadas do setor secundário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.