finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Indústria paulista puxou para baixo a retomada

Em São Paulo, o crescimento foi de apenas 0,3%, em contraste com o avanço de 6% da indústria do Rio e de 4,4% em Minas Gerais

O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2018 | 04h00

Ao contrário do que vinha ocorrendo nos últimos meses, a indústria paulista fraquejou em abril, tornando menos vistosa a recuperação registrada no período pela indústria brasileira.

É um sinal das limitações da retomada econômica em curso, especialmente tendo em vista que o resultado se refere ao período anterior ao da greve dos transportes que afetou o conjunto da economia.

A indústria cresceu em 10 dos 15 locais objeto da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física Regional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) referente a abril.

Em São Paulo, o crescimento foi de apenas 0,3%, em contraste com o avanço de 6% da indústria do Rio, de 4,4% em Minas Gerais e de 5,6% na Região Nordeste. Na Bahia, a alta foi de 7%. Também cresceram as indústrias do Paraná, do Rio Grande do Sul, de Pernambuco, de Santa Catarina e do Espírito Santo, enquanto declinaram as de Pará, Amazonas, Goiás, Ceará e Mato Grosso.

A evolução lenta de São Paulo poderá comprometer os resultados do segundo trimestre, ou seja, o período mais afetado pela interrupção ou redução da produção decorrente da paralisação dos transportes rodoviários. O crescimento industrial registrado em quase todo o País na comparação com 2017 deverá persistir, mas o ritmo será mais lento.

Entre abril de 2017 e abril de 2018, o setor industrial avançou 8,9%, liderado por São Paulo, com crescimento de 14,8%. Veículos automotores, reboques e carrocerias, produtos alimentícios e máquinas e equipamentos puxaram a recuperação da indústria paulista. Mas num dos segmentos mais fortes do parque industrial (as montadoras) a produção caiu em maio.

O impacto da greve não atingiu somente a indústria, estendendo-se para a agricultura e para as exportações, cujos números são conhecidos com menor defasagem.

O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 vem sendo revisado para baixo pelos departamentos econômicos que contribuem para a Pesquisa Focus, do Banco Central, que já aponta evolução inferior a 2%.

É possível que a indústria só volte a mostrar números melhores no segundo semestre.

O mais importante, nessa hipótese, é acompanhar de perto a evolução do setor industrial em São Paulo, que costuma liderar as retomadas do setor secundário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.