Indústria projeta dobrar produção de cacau em 10 anos

Estimativa é da Associação Nacional das Indústrias Processadoras do Cacau (AIPC), que participa do evento Fóruns Estadão sobre a importância da commodity

Leticia Pakulski e Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2016 | 10h30

SÃO PAULO - A indústria de cacau brasileira quer dobrar a produção da commodity no Brasil de 200 mil para 400 mil toneladas em 10 anos, levando o País a se tornar o terceiro maior produtor mundial, disse o diretor executivo da Associação Nacional das Indústrias Processadoras do Cacau (AIPC), Eduardo Bastos, em palestra no Fóruns Estadão - A importância do cacau na economia brasileira".

Segundo ele, só o aumento de 100 mil toneladas nos primeiros cinco anos vai irrigar R$ 15 bilhões para a economia brasileira. "São recursos muito importantes que o País precisa para crescer e distribuir mais renda, trazendo um benefício para a sociedade." Bastos ressaltou que, em outras cadeias agrícolas, o Brasil sempre está entre os principais produtores por ter uma das maiores áreas cultiváveis do mundo e a ideia é que isso volte a ser uma realidade também para o cacau. Ele ressaltou que o País precisa ter protagonismo na produção de alimentos, fibras e energia. "É isso que o mundo espera."

Bastos assinalou ainda que, com uma produtividade média de 500 quilos por hectare e uma propriedade familiar de cacau tendo em média 10 hectares, a expectativa é trazer 20 mil novas famílias para a produção de cacau. "Isso significa quase 100 mil brasileiros voltando a produzir." Bastos destacou ainda o benefício ambiental do cacau, nativo da região amazônica, para a proteção da floresta.

O presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Luiz Carlos Corrêa Carvalho, lembrou que o Brasil foi um grande exportador até 1995, quando a cadeia sofreu dois impactos, a falta de renovação da pesquisa para a cultura e a ocorrência da vassoura de bruxa e caminhos não adequados para o combate à doença, elementos que fizeram com que o Brasil se tornasse importador e perdesse espaço para o continente africano. "Em um país com a dimensão do Brasil, o potencial do cacau é extraordinário", assinalou Carvalho. Ele destacou que o setor de cacau passou a ter participação de capital externo pesada e o Brasil precisa participar disso. "É fundamental investimento em pesquisa e desenvolvimento e a procura por novas áreas que permitam o desenvolvimento da cultura."

Carvalho assinalou ainda que o setor precisa buscar uma produção com alta competitividade para retomar a importância que o Brasil já teve na oferta global. "Nosso caminho não é a proteção. Brasileiros têm que lutar contra o protecionismo." 

Mais conteúdo sobre:
Fóruns Estadão Brasil Agronegócio Cacau

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.