Indústria reduz expectativa e nível de confiança cai 0,8%

Resultado divulgado pela FGV reflete um bom ritmo de atividade, mas uma deterioração das expectativas

ALESSANDRA SARAIVA, Agencia Estado

30 de abril de 2008 | 08h18

O Índice de Confiança da Indústria (ICI), extraído da Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação, caiu 0,8% em abril ante março, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). No mês passado, o índice havia aumentado 5,8% ante fevereiro. O resultado reflete um bom ritmo de atividade atualmente, mas uma deterioração das expectativas. "Apesar do recuo, este é o quinto maior índice da série histórica, iniciada em abril de 1995", segundo a entidade. O ICI é um indicador que utiliza para cálculo uma escala que vai de zero a 200 pontos, sendo que o resultado do índice é de queda ou de elevação, se a pontuação total das respostas fica abaixo ou acima de 100 pontos, respectivamente. De março para abril, o indicador caiu de 121,6 pontos para 120,6 pontos. Na comparação com abril do ano passado, o ICI avançou 0,2% em igual mês este ano - resultado inferior à alta de 4,5% em fevereiro, na mesma base de comparação.   Veja também:   Confiança do empresário é a maior desde 2005, aponta CNI Confiança do consumidor é a pior desde setembro de 2007    BC destaca risco de inflação e pode continuar a subir juros Ao detalhar o desempenho de abril, a FGV esclarece, em comunicado, que "com ajuste sazonal, o ICI recuou, entre janeiro e abril, de 119,2 para 116,7 pontos". Assim, na análise da fundação, o resultado "mostra que a indústria sustenta um bom ritmo de atividade, embora as expectativas em relação aos próximos meses estejam menos otimistas que ao final do ano passado".O ICI é composto por dois indicadores. O primeiro é o Índice da Situação Atual (ISA), que teve queda de 1,9% em abril, em comparação com a taxa positiva de 3,8% em março. O segundo componente do ICI é o Índice de Expectativas, que apresentou elevação de 0,3% em abril, ante aumento de 8,3% em março. Na comparação com abril do ano passado, houve alta de 0,6% e queda de 0,3%, no Índice de Situação Atual e no Índice de Expectativas, respectivamente.   Termômetro   O nível de satisfação dos empresários com o andamento atual de seus negócios diminuiu em abril. Segundo a FGV, entre outubro de 2007 e abril de 2008, o porcentual de empresas que avaliam como boa a sua situação de negócios caiu de 39,7% para 31,1%, "enquanto a parcela das que a consideram fraca manteve-se estável", segundo a fundação.   Ao comentar as respostas do empresariado sobre as expectativas para o futuro, a fundação informou que as previsões para os próximos meses também tornaram-se menos otimistas em abril. Das 1.021 empresas consultadas, 39,8% prevêem produzir mais no próximo trimestre e 17,1%, produzir menos. "Em janeiro de 2008, estas parcelas haviam sido, respectivamente, de 43,8% e 9,0%".   Capacidade instalada   O Nível de Utilização de Capacidade Instalada (Nuci) da indústria ficou estável em abril, com patamar 85,2% no mês - resultado idêntico ao apurado no mês passado, segundo a FGV. Assim como em março, o Nuci registrado em abril foi o maior desde dezembro do ano passado, quando atingiu patamar de 86,7%. Ou seja: em abril, o nível de utilização de capacidade da indústria também foi o maior de 2008.   Na série trimestral com ajuste sazonal do Nuci, o nível de utilização de capacidade instalada em abril ficou em 85,6% - o maior desde o terceiro trimestre de 2007 (85,8%).  O levantamento para cálculo do índice foi entre os dias 1º e 28 desse mês, em uma amostra de 1.021 empresas informantes.   (Com Reuters)   Texto atualizado às 8h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.