finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Indústria retoma trajetória de alta e bate recorde histórico

Após três meses de estagnação, a produção industrial brasileira voltou a crescer e fechou maio com aumento de 1,3% em relação a abril e de 5,5% na comparação maio do ano passado, segundo pesquisa do IBGE divulgada hoje. É o melhor resultado desde o início da pesquisa do instituto, em 1991. O recorde anterior havia sido atingido em dezembro passado. Segundo o IBGE, os resultados demonstram "uma mudança de trajetória, saindo de estabilidade para um crescimento que atinge todas as categorias". Os bons resultados são atribuídos ao crédito e às exportações. O aumento da produção de petróleo, o melhora no emprego e a queda da inflação também influenciaram o desempenho da indústria, segundo a economista da coordenação de indústria do IBGE, Isabela Nunes Pereira. O refino de petróleo e produção de álcool (7,6%) e o grupo de indústrias extrativas (2%, incluindo também minério de ferro) puxaram o bom desempenho. Na comparação com maio de 2004, um dos principais impactos para o crescimento foi o das indústrias extrativas (17,4%) e refino (10,4%).Ela destaca ainda a reação forte dos bens de consumo semi e não duráveis (calçados, bebidas, medicamentos, carburantes, alimentos), que dependem diretamente da renda, começou a ocorrer em maio. Os não duráveis cresceram 0,6% sobre abril e 7,5% na comparação com igual mês de 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.