Indústria se recupera, mas economia não acompanha, diz CNI

O primeiro trimestre deste ano apresentou sinais de recuperação da atividade industrial, mas o desempenho da economia ficou abaixo das expectativas do setor. A avaliação foi apurada pela sondagem industrial realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em abril, ouvindo 1.218 empresas, sendo 1.007 pequenas e médias empresas e 211 grandes.O indicador da evolução da produção foi 48,7 neste primeiro trimestre contra 54,3 apurado no último trimestre do ano passado . A metodologia da sondagem da CNI define o indicador 50 como o limite entre o desempenho positivo e negativo. A pesquisa avalia as expectativas e os sentimentos do empresariado. Segundo o coordenador da pesquisa da CNI, Renato Fonseca, a queda desse indicador entre o fim do ano passado e o início de 2004 era esperada, em razão da sazonalidade ? efeitos temporais. "Tradicionalmente, o começo de ano tem uma atividade mais fraca", afirmou.Aspecto positivoNo entanto, destacou ele, esse indicador é o mais alto dos últimos quatro anos, se comparados os primeiros trimestres. No período dos três primeiros meses de 2003, por exemplo, o indicador do nível de produção ficou em 43 e, no mesmo período de 2002, ficou em 45,5. O último indicador mais alto para esses meses foi registrado no primeiro trimestre de 2000 quando alcançou 49,5.Indicador de faturamentoO indicador de faturamento no primeiro trimestre de 2004 também caiu em relação ao final do ano passado. No entanto, comparando o desempenho por porte de empresa, as grandes empresas apresentaram um indicador positivo (51,4) enquanto as pequenas e médias apresentaram indicador negativo (47,6). Na avaliação dos economistas da CNI, isso deve ter relação com as exportações, já que 78% das empresas de maior porte são exportadoras e o porcentual cai para 36% no caso das pequenas e médias. "Há algum tempo está claro que as exportações estão puxando a economia brasileira", disse Renato Fonseca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.