Filipe Araujo/Estadão
Filipe Araujo/Estadão

Indústria será paga para reduzir consumo quando energia estiver mais cara, diz Aneel

O programa da Aneel terá duração de aproximadamente 18 meses e, nesse período, o objetivo é formar as bases para a criação de um programa permanente e de abrangência nacional

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2017 | 19h31

BRASÍLIA - O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) vai pagar as indústrias que aceitarem reduzir seu consumo nos momentos em que a energia estiver mais cara. Essa possibilidade será viabilizada por meio do programa piloto de Resposta da Demanda para consumidores industriais, aprovado nesta terça-feira, 28, pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O programa começa em janeiro, para consumidores livres ou parcialmente livres.

Com a redução voluntária de consumo, o ONS pode evitar o acionamento de usinas termelétricas mais caras, acionadas pelo critério fora da ordem de mérito. O programa também visa dar tratamento à variação de energia eólica na Região Nordeste, que é uma geração intermitente, dependente da ocorrência dos ventos.

++Presidente da Eletrobrás está otimista com privatização em 2018

"É como se fosse uma oferta de energia, mas ele oferece reduzir a demanda e cobra por isso um determinado valor", afirmou o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino. "O sistema elétrico vai dizer: é mais conveniente pagar para alguém deixar de consumir ao invés de acionar outros recursos de geração."

O programa terá duração de aproximadamente 18 meses e, nesse período, o objetivo é formar as bases para a criação de um programa permanente e de abrangência nacional.

Contrato. As indústrias que quiserem participar do programa deverão informar o interesse ao ONS. A redução da demanda será firmada por meio de Contrato de Prestação de Serviços Ancilares (CPSA), de caráter temporário.

++Energia de Belo Monte vai chegar ao Sudeste em dezembro

Caberá ao ONS definir mensalmente a grade horária dentro da qual os agentes interessados deverão reduzir o consumo. As indústrias deverão informar ao ONS sua oferta de preços e quantidades de energia. Se o preço for menor do que o custo do acionamento de uma termelétrica, a oferta será aceita.

Ao reduzir o consumo nos momentos de energia mais cara, a indústria poderá deslocar a produção para outros horários ou dias em que a energia estiver mais barata. "Ele pode até, no limite, deixar de consumir, se perceber que é mais vantajoso deixar de consumir", disse Rufino. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.