Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Indústria tem maior alta desde 2004 com mercado interno

A produção industrial brasileiracresceu no ano passado no maior ritmo desde 2004, estimuladaprincipalmente pela força da demanda interna, informou oInstituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nestasexta-feira. A alta foi de 6 por cento, exatamente em linha com aprevisão do mercado e acima do dado de 2,8 por cento de 2006. Em dezembro, a atividade retraiu-se pelo segundo mêsseguido, em 0,6 por cento contra novembro, mas cresceu 6,4 porcento ante igual período de 2006. Analistas ouvidos pelaReuters previam queda de 1 por cento mês a mês e alta de 6 porcento na leitura anual. "O desempenho industrial de 2007 foi apoiado principalmenteno aquecimento da demanda doméstica, por conta da manutenção daexpansão do crédito, do aumento da ocupação e da renda, e daampliação dos investimentos", disse o IBGE em nota. No ano, os destaques de crescimento da produção foram ossetores de Veículos automotores (15,2 por cento) e Máquinas eequipamentos (17,7 por cento). Nesse segundo, as maiores altasforam de centros de usinagem, fornos microondas, refrigeradorese máquinas para colheita. Entre as categorias de uso, a maior expansão veio de bensde capital, de 19,5 por cento, enquanto a atividade de bens deconsumo duráveis avançou 9,2 por cento. A produção de bensintermediários subiu 4,9 por cento e a de bens de consumo semie não duráveis aumentou 3,4 por cento. "Em 2007, o aumento da produção foi abrangente",acrescentou o IBGE. Em dezembro na comparação com novembro, o destaque deretração da produção ficou com Veículos automotores, de 6,2 porcento. Nas categorias de uso, a atividade de bens de consumo semie não duráveis teve queda de 2,1 por cento e a de bens decapital declinou 0,2 por cento, interrompendo quatro taxaspositivas seguidas. Já bens intermediários e bens de consumoduráveis tiveram expansão, de respectivamente 1,0 e 0,6 porcento. O IBGE revisou o dado de novembro na comparação comoutubro, de queda inicialmente informada de 1,8 por cento pararecuo de 2 por cento. (Por Rodrigo Viga Gaier; Edição de Vanessa Stelzer)

REUTERS

08 de fevereiro de 2008 | 09h28

Tudo o que sabemos sobre:
IBGEINDUSTRIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.