Indústria tem menor confiança em 5 anos

Empresas temem por demanda e vêem o futuro com pessimismo

Alessandra Saraiva, O Estadao de S.Paulo

29 de novembro de 2008 | 00h00

A avaliação negativa das empresas em relação à demanda atual, aliada a um pessimismo em relação ao futuro dos negócios nos próximos meses, levou à queda de 19,4% no Índice de Confiança da Indústria (ICI) de novembro ante outubro, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). De acordo com a Fundação, ocorreu uma "mudança significativa na percepção das empresas em relação à demanda por produtos industriais".   Coordenador da FGV comenta a queda na confiança da indústria O porcentual de empresas pesquisadas para cálculo do indicador que consideram o nível atual de demanda como forte caiu de 17,9% em outubro para 4,6% em novembro. No mesmo período de comparação, o porcentual de empresas entrevistadas que avaliam como fraca a demanda atual aumentou de 12,5% para 29,4%.PIORAQuanto às respostas relacionadas ao futuro, em relação aos próximos meses, 23,3% das 1.112 empresas consultadas em novembro prevêem melhora da situação dos negócios. Mas uma parcela maior, de 27,7% das companhias entrevistadas, aguardam uma piora.Em outubro deste ano, estes porcentuais, para essas mesmas respostas, eram de 38,1% e de 11,0%, respectivamente. "Este é o pior resultado para este quesito da pesquisa desde dezembro de 1998, quando 23,6% das empresas previam melhora e 28,3% projetavam piora do ambiente de negócios", acrescentou a FGV, em seu informe. A sondagem mostrou forte deterioração da confiança do empresário industrial em novembro, segundo relatório da Consultoria Tendências.O Índice de Confiança da Indústria (ICI) passou de 104,4 pontos em outubro para 84,1 pontos em novembro, o menor nível da série desde julho de 2003. "Mostra, sobretudo, o efeito da crise externa sobre as expectativas do empresário, que se encontram em patamar pessimista desde o mês passado", diz o relatório.O ICI da Fundação Getúlio Vargas é um indicador que utiliza para cálculo uma escala que vai de 0 a 200 pontos, sendo que o resultado do índice é de queda ou de elevação se a pontuação total das respostas fica abaixo ou acima de 100 pontos, respectivamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.