Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Indústria têxtil não aproveita demanda do País, diz Abit

O consumo per capita de artigos têxteis e de vestuário cresceu 9,2% no ano passado no País, mas a produção por habitante subiu apenas 1,1%, na comparação com o ano anterior. Essa é uma das principais constatações do Relatório Brasil Têxtil 2007, levantamento anual realizado pelo Instituto de Estudos e Marketing Industrial (Iemi) em parceria com a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit).Os dados mostram, numa outra leitura, que parte da demanda interna foi suprida pelas importações, que cresceram 33% em volume e 41% em valor, na mesma base de comparação.Os produtos importados, segundo a Abit, provocaram a queda nas encomendas, o que, por sua vez, reduziu o uso da capacidade instalada. Com esse quadro, o setor, intensivo em mão-de-obra (1,6 milhão ou 17% dos trabalhadores da indústria de transformação), também está reduzindo empregos em algumas áreas.A Abit avalia que o setor não está aproveitando as oportunidades de crescimento do mercado interno. A entidade defende, ainda, a realização de acordos preferenciais com os principais mercados compradores de têxteis do mundo (Japão, Estados Unidos e União Européia).

Paula Puliti, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2028 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.