Indústrias apostam na fabricação de veículos utilitários esportivos

Indústrias apostam na fabricação de veículos utilitários esportivos

Segmento de utilitáriosesportivos (SUVs) noBrasil representa atualmente 9% das vendas de veículos

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2014 | 02h02

Antes dominado por carros compactos, o mercado brasileiro cada vez mais abre espaço para modelos de maior porte. O Salão do Automóvel deste ano - que será aberto ao público amanhã, no Anhembi -, mostra uma clara tendência das montadoras em ampliar no Brasil o mercado dos utilitários-esportivos (SUVs), segmento que hoje representa 9% das vendas.

Várias montadoras anunciaram ontem produtos neste segmento. A Honda vai iniciar a produção do HR-V em março na fábrica de Sumaré (SP). O modelo, lá fora chamado de Vezel, estava inicialmente previsto para a fábrica de Itirapina (SP), que será inaugurada apenas no fim do próximo ano.

A capacidade produtiva será de 50 mil unidades anuais do utilitário de pequeno porte, diz Issao Mizoguchi, presidente da Honda América do Sul. Segundo ele, a fábrica de Itirapina vai dividir a produção de todos os modelos com a unidade de Sumaré, começando com o Fit.

Com inauguração prevista para o primeiro trimestre de 2015, a fábrica da Fiat em Goiana (PE) fará produtos da marca Jeep e o primeiro deles é o SUV Renegade. O modelo terá três versões com opção de motores flex e diesel. Será o primeiro veículo brasileiro que terá como opcional o sistema de estacionamento automático, que faz as manobras sem a intervenção do motorista, informa Sérgio Ferreira, diretor geral da Chrysler.

No ano passado, o segmento de SUVs vendeu no Brasil cerca de 130 mil unidades, volume que deve ser mantido neste ano, apesar de o mercado como um todo cair em torno de 10%, segundo projeções do setor.

De acordo com Ferreira, no mundo todo esse segmento responde por 18% das vendas, participação que é de 12% na América Latina e estava em 8% no Brasil, mas este ano já cresceu.

A Peugeot já tem um utilitário (ou crossover, uma mistura de SUV com automóvel) que começa a ser produzido em Porto Real (RJ) na primeira metade de 2015. O Peugeot 2008 é a principal aposta da marca para recuperar significativas perdas que vem tendo no Brasil.

Embora tenha novidades na linha dos SUVs que já produz no País, a Mitsubishi faz o caminho inverso e iniciará, em novembro a produção do sedã Lancer na fábrica de Catalão (GO).

Já a aposta da Renault é entrar em picapes. A empresa mostra no salão um modelo que ainda considera "protótipo", o Duster Oroch, mas que em breve deverá se tornar produto de linha. O diretor das operações da Renault nas Américas, Denis Barbier, afirma que a região consome 1,2 milhão de comerciais leves por ano, dos quais 75% são picapes. "É obviamente uma oportunidade de mercado que não podemos perder."

Tudo o que sabemos sobre:
Salão do Automóvel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.