Indústrias confiam mais no futuro do que no presente

As indústrias brasileiras estão com uma visão mais otimista dos próximos seis meses do que da conjuntura atual, segundo o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), divulgado hoje pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O índice é formado pela avaliação das condições atuais e da expectativa sobre o semestre.A avaliação das condições atuais ficou estável em relação à última pesquisa, de outubro de 2004. Ela passou de 58,4 para 58,8 pontos. O valor é bem superior, no entanto, aos de janeiro de 2004 (52,9 pontos); janeiro de 2003 (47,5 pontos); e outubro de 2002 (41 pontos). A avaliação das condições atuais é formada pela opinião dos empresários em relação a três temas: economia brasileira, setor de atividades e empresa.A avaliação sobre a economia passou de 60,3 pontos para 62,7, desde outubro. Esse índice chegou a 28,9 pontos em outubro de 2002, e teve altos e baixos desde então, atingindo agora o maior patamar deste período.Já a confiança no setor de atividades passou de 56,1 para 56,4 pontos no último trimestre. O valor mais baixo desde outubro de 2002 foi verificado em julho de 2003, quando chegou a 32,9 pontos. Desde então também tem oscilado, e hoje está no maior patamar do período.Otimismo sobre o negócioO mesmo processo de altas e baixas aconteceu com o otimismo em relação à empresa dirigida pelo empresário que respondeu ao questionário. O índice mais alto do período foi o de outubro passado, de 59,4, e agora passou para 59,1. O resultado mais baixo dos últimos três anos foi também o de julho de 2003, com 40,2 pontos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.