finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Indústrias do setor investem US$ 250 mi para elevar produção

Além de responder por fatia significativa do crescimento da economia neste ano, o bom desempenho do agronegócio provoca uma reação positiva em parte da indústria. Capitalizados por três safras consecutivas, os produtores estão aplicando a renda do campo no próprio campo. Isso atrai para o País investimentos polpudos das gigantes do setor de tratores, adubos, sementes e defensivos.

O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2013 | 02h12

A Dow AgroSciences, por exemplo, especializada em sementes e defensivos, está investindo mais de US$ 100 milhões no País em três projetos: uma unidade produção de sementes de milho em Luís Eduardo Magalhães, no oeste de Bahia; um laboratório de pesquisa em Cravinhos (SP) e um centro de pesquisa de campo em Sorriso (MT), o município que mais produz soja no mundo.

"Esse é o maior investimento da companhia dos últimos cinco anos", afirma o presidente da empresa, Ramiro de La Cruz. Ele conta que a empresa decidiu "tropicalizar" a tecnologia na produção de sementes. Por isso, instalou em Cravinhos um laboratório de biotecnologia semelhante ao que tem em Indianápolis (EUA), com profissionais locais. "O laboratório de Indianápolis continua fazendo pesquisas para outros países."

La Cruz não revela os planos, mas diz que o Brasil é de "altíssima prioridade" para futuros investimentos da empresa. "Quando vamos para o campo, vemos os investimentos dos produtores em máquinas e na capacidade de produção, o que não ocorre em muitos países", observa o presidente.

Salto. O salto de produção no campo é explicado pelo uso intensivo de tecnologia e inovação, lembra Alfredo Miguel Neto, diretor de Assuntos Corporativos para América da Latina da John Deere, fabricante de tratores e máquinas agrícolas. Tanto é que em pouco mais dez anos a produção de grãos saiu de 80 milhões de toneladas para 187,9 milhões, com aumento de 135%. No mesmo período, a área plantada com grãos aumentou 32%. "O desafio é produzir mais numa mesma área", diz ele.

Atenta para essa oportunidade de mercado, a empresa anunciou neste mês dois investimentos que somam US$ 53 milhões. US$ 13 milhões serão aplicados na ampliação do centro distribuição de peças em Campinas (SP), que vai atender aos países da América Latina. Os US$ 40 milhões restantes serão aplicados na ampliação da fábrica de tratores de Montenegro (RS).

A partir de 2015, a empresa vai fabricar no País tratores de alta potência na unidade de Montenegro. Hoje esse trator é importado. Segundo Miguel Neto, o aumento da procura por maquinário levou a companhia a tomar essa decisão.

A Agrale, fabricante de tratores de pequeno e médio porte, já percebeu o aumento da procura por equipamentos de maior potência. Segundo o diretor, Flávio Crosa, a empresa estuda a produção de tratores maiores.

"Na soja, o uso de tecnologia está igual ou maior do que no ano passado", diz Lair Hanzen, presidente da Yara Brasil, líder na distribuição de adubos. Em agosto, ela concretizou a compra Bunge por US$ 750 milhões, o maior investimento da empresa norueguesa. A meta é investir até US$ 100 milhões por ano no País para a sua manter participação de mercado. / M.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.