Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Indústrias mantêm lucratividade mesmo com alta do real

Um estudo divulgado nesta sexta-feira pela Serasa apontou que, apesar da valorização do real frente ao dólar, as grandes indústrias do País mantiveram a lucratividade alta em 2005. A rentabilidade das vendas das indústrias deste porte atingiu 10,8%, o que representou o terceiro ano consecutivo com resultado positivo acima de 10%.Na avaliação da Serasa, a valorização do real ante o dólar afetou negativamente o faturamento dos segmentos exportadores. Por outro lado, esse efeito negativo foi atenuado pela valorização de algumas commodities - mercadoria com preço definido no mercado internacional -, notadamente produtos siderúrgicos, celulose, açúcar e álcool. Outro ponto importante foi o benefício que as empresas com dívidas atreladas ao dólar tiveram, pois ficaram menores em reais - o que gerou reflexos positivos no resultado financeiro."O endividamento das indústrias em geral apresentou redução. Isso se explica porque as empresas com dívidas atreladas ao dólar optaram por antecipar pagamentos e quitar as dívidas, beneficiando-se da apreciação cambial do real frente à moeda norte-americana, visto que necessitam de menos reais para o pagamento das dívidas em dólar."DesempenhoOs segmentos de melhor desempenho no estudo foram os de siderurgia e de papel e celulose, cujas margens líquidas foram superiores à média da indústria em geral. A siderurgia atingiu lucro equivalente a 31,9% das receitas em setembro de 2005 e o segmento de papel e celulose, 23,8%. Como contraponto, o setor petroquímico apresentou rentabilidade de 8,3% neste período.A Serasa destacou que as pequenas e médias indústrias também apresentaram crescimento nos lucros, que passaram a representar cerca de três vezes os resultados obtidos entre 2000 e 2002, aumentando de 3,0%, em 2003, para 4,6% em 2004. Em 2005, em virtude da falta de espaço para repassar a elevação dos custos aos preços finais dos produtos, a rentabilidade foi equivalente a 3,5% das vendas. O levantamento foi elaborado a partir dos demonstrativos contábeis de cerca de 10 mil indústrias de grande, médio e pequeno porte, tanto de capital aberto como fechado.

Agencia Estado,

27 de janeiro de 2006 | 17h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.