Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Indústrias preparam-se para repor estoques

As vendas aquecidas no varejo após o período de festas estão fazendo com que as indústrias se mobilizem para repor os estoques. Segundo o gerente-geral de Vendas da Philips, Pedro Paulo de Giacomo, após o bom resultado nas semanas que antecederam o Natal, a expectativa era de algumas semanas de calmaria. Por conta disso, o prognóstico é de que poderá faltar mercadoria nas lojas.A dificuldade em obter componentes eletrônicos impede que a indústria do ramo de imagem e som dê uma resposta rápida ao mercado, explicou Giacomo. Pela programação industrial, a produção da Philips deverá crescer 7% este ano, um salto, segundo ele. A empresa vendeu 45% mais em 2000 que no ano anterior. As indústrias da cadeia têxtil são mais ágeis e procuram atender os lojistas cujos estoques estejam desfalcados, informou o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), Paulo Skaf. O clima de euforia também colocou os fabricantes de embalagens de prontidão. O presidente da Associação Brasileira de Papelão Ondulado (ABPO), Paulo Sérgio Peres, disse que as notícias positivas deverão ter repercussão no faturamento do setor, fazendo a indústria do setor operar com mais intensidade a partir da próxima semana.

Agencia Estado,

05 de janeiro de 2001 | 12h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.