Inflação acumula alta de 8,52% no ano, maior taxa desde 1996

IPCA acelerou para 0,82% em outubro, ante 0,54% em setembro; no período de 12 meses, índice de preços se aproxima dos dois dígitos

Daniela Amorim, O Estado de S. Paulo

06 de novembro de 2015 | 09h06

RIO - A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acelerou para 0,82% em outubro, ante uma variação de 0,54% em setembro. A principal pressão, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), veio dos combustíveis, que ficaram 6,09% mais caros e responderam por quase 40% do índice mensal. 

Com o resultado, a taxa acumula alta de 8,52% no ano (a mais elevada para o período desde 1996) e de 9,93% em 12 meses (a maior desde 2003) - ambas bem acima do teto da meta estipulada pelo governo, de 6,5%. O dado de outubro, no entanto, ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que iam de 0,73% a 0,89%, com mediana de 0,80%.

"No total do Brasil, o resultado já quase encostou nos dois dígitos. Pelos Estados, cinco já ultrapassaram os 10%. Ou seja, em alguns Estados, a população está sendo mais penalizada pela inflação", declarou Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE. Entre as regiões pesquisadas, os maiores resultados foram de Curitiba (11,52%), Goiânia (11,19%), Porto Alegre (10,49%), São Paulo (10,45%) e Fortaleza (10,02%). 

Segundo o instituto, o consumidor passou a pagar, em média, 5,05% a mais pelo litro da gasolina - combustível de maior peso no IPCA. Os preços chegaram a aumentar 6,21% em São Paulo e 6,12% em Curitiba. As altas são reflexo do reajuste de 6% nas refinarias, em vigor desde 30 de setembro. 

No caso do etanol, o aumento foi ainda maior, chegando a 12,29%. Mas, como a participação no orçamento é de 0,80%, a sua contribuição no índice foi menor do que a da gasolina. Já o preço do diesel teve aumento médio de 3,26%.

Essa alta dos combustíveis impulsionou os gastos das famílias com transportes em outubro. O avanço foi de 1,72%, o mais elevado entre os grupos que compõem o IPCA (veja o gráfico acima). Também pressionaram o resultado do grupo os aumentos nas passagem aérea (4,01%), pneu (0,94%), ônibus intermunicipal(0,84%), conserto de automóvel (0,69%) e acessórios e peças (0,46%).

Dentre os índices regionais mensais, o maior ficou com Brasília (1,24%) em razão da alta de 23,08% no item ônibus urbano - cujas tarifas foram reajustadas em mais de 30% em setembro. Já o menor índice foi registrado no Rio de Janeiro (0,59%), onde os alimentos consumidos em casa variaram 0,02%, bem abaixo da média nacional (0,68%).

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoipca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.