finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Inflação anual dos países da OCDE fica estável em junho, mas cresce no Brasil

Queda dos preços de alimentos e estabilidade dos valores de energia contribuíram para o resultado

Lucas Hirata, Agência Estado

29 de julho de 2014 | 09h32

Os preços ao consumidor subiram em ritmo mais lento entre as maiores economias do mundo em junho, uma vez que a queda em preços de alimentos e estabilidade nos valores de energia deixaram a Europa isolada na luta contra o problema da inflação baixa, de acordo com dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) médio dos 34 países-membros da OCDE, que tem sede em Paris, subiu 2,1% nos 12 meses até junho, mesma variação no período de 12 meses encerrado em maio. Considerando-se apenas os países do G-20, a taxa anual de inflação desacelerou para 2,9%, de 3,0%, na mesma comparação. O G-20 responde por 90% da atividade econômica global.

A OCDE informou que a inflação anual acelerou no Brasil para 6,5%, de 6,4%. Na Rússia, a alta no CPI passou para 7,8%, de 7,6%. Na China, por outro lado, o avanços dos preços ficou em 2,3% em junho, de 2,5% em maio. (Com informações da Dow Jones)

Tudo o que sabemos sobre:
inflacaoocde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.