Inflação ao consumidor na Argentina foi de 0,8% em abril

O Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec) da Argentina anunciou hoje o índice de inflação de abril. Carregado de polêmica, o índice, de apenas 0,8%, não foi levado a sério por economistas independentes, empresários e associações de defesa do consumidor, que calculam que a inflação "real" é, no mínimo, o dobro da "oficial". Segundo diversas consultorias, a inflação de abril oscilaria entre 1,5% e 2%. Desta forma, a inflação "real" acumulada entre janeiro e abril seria superior a 8,5%. O governo da presidente Cristina Kirchner sustenta que o índice acumulado é de 3,3%.O Indec está sob uma forte intervenção do governo desde janeiro do ano passado. Economistas e até funcionários do próprio organismo afirmam que o governo está "maquiando" o índice, de forma a mostrar ao público uma inflação inferior à real. Essa política provocou o desprestígio internacional do Indec, que também está espalhando-se para outros organismos argentinos. Para implementar a inflação "camuflada", o governo despediu dezenas de técnicos, além de ter remanejado outros. Funcionários do Indec protestaram ontem na frente do edifício do organismo contra a intervenção por parte do governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.