Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Inflação ao consumidor nos EUA sobe 0,3% em outubro

O Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos subiu 0,3% em outubro, puxado pelo aumento dos preços da energia. O núcleo do indicador, que exclui justamente a energia, além de itens de alimentação, avançou 0,2%. Nos últimos 12 meses, o índice cheio acumula alta de 3,5% e o núcleo, de 2,2%. Em setembro, o IPC cheio também havia subido 0,3%.Os números ficaram dentro da expectativa dos analistas do mercado financeiro e, por isso, pouco afetaram o desempenho das bolsas americanas ontem. O Índice Dow Jones, o mais importante da Bolsa de Nova York, caiu 0,91% e a bolsa eletrônica Nasdaq, 0,98%. Segundo o Departamento de Trabalho americano, a inflação de outubro obedeceu à forte valorização dos preços da energia, que subiram 1,4% no mês, a maior alta desde o aumento de 5,4% de maio. Analistas acreditam que esses custos continuarão a pressionar o IPC, sobretudo por causa do comportamento das cotações do petróleo, que se aproximam de US$ 100. O Federal Reserve (Fed,o banco central americano) segue de perto o núcleo do IPC, ao considerar que esse dado reflete melhor as pressões inflacionárias na economia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo com agências internacionais.

AE, Agencia Estado

16 de novembro de 2007 | 07h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.