Inflação argentina é a mais alta em 23 anos

A inflação de setembro na Argentina subiu 2,48%, o mais elevado índice desde dezembro de 1991. Esse é o cálculo do Índice-Congresso, elaborado por deputados da oposição com a média das estimativas feitas pelas consultorias econômicas portenhas. Os cálculos também indicam que inflação acumulada no ano é de 30,5%. Além disso, o acumulado em 12 meses é de 41,06%, faixa de inflação também no patamar mais elevado dos últimos 23 anos.

ARIEL PALACIOS , CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2014 | 02h05

No entanto, o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec) anunciou que o índice oficial de inflação de setembro foi de 1,4%. O total acumulado desde janeiro, segundo o Indec, é de 19,8%. Os cálculos oficiais estão desacreditados, sob a acusação de intensa manipulação por parte do governo da presidente Cristina Kirchner, que nega a existência de uma escalada inflacionária.

No início deste ano, o governo Kirchner previa uma inflação de 9,9%. Mas, há um mês, o ministro da Economia, Axel Kicillof, declarou que a inflação deste ano será de 21,3%. No entanto, economistas e sindicatos afirmam que alcançará a faixa de 40%. Kicillof, na ocasião, também ressaltou que no orçamento para 2015, o governo tem uma meta de inflação de 15%. Sem o otimismo do ministro, os economistas na city financeira portenha calculam que no ano que vem a alta superará os 35%.

Um grupo de ex-diretores do Indec, de épocas prévias à manipulação, fez um apelo aos candidatos presidenciais para as eleições do ano que vem que prometam a regularização das estatísticas públicas.

Pressão. Em 2013 e 2014, o governo Kirchner tentou implementar o congelamento de preços nos supermercados e lojas de eletrodomésticos. Cristina até convocou os militantes kirchneristas para fiscalizar os preços. No entanto, a mobilização durou poucos dias e a fiscalização foi esquecida.

Há quatro semanas, o Parlamento transformou em lei o projeto do governo para reformar a "lei de abastecimento", legislação criada pelo presidente Juan Domingo Perón em sua última semana de vida em 1974. Com a reforma, Cristina terá mais poderes para intervir nos preços, caso os empresários façam remarcações que as autoridades interpretem como "artificiais" ou "injustificadas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.