DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

'Inflação baixa dá maior flexibilidade ao BC', diz Meirelles

O ministro elogiou o trabalho do Banco Central e destacou que a inflação permite às empresas investirem com mais segurança

Denise Luna, Mariana Durão e Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2017 | 14h34

RIO - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou há pouco que a "inflação baixa" dá "muito maior flexibilidade" à condução da política monetária pelo Banco Central, mas, em dia de reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), evitou comentar sua expectativa sobre a decisão em relação ao nível da taxa básica de juros (Selic, até hoje em 9,25% ao ano).

"Não há dúvida de que a inflação baixa é excelente notícia, porque aumenta o poder de compra da população", afirmou Meirelles, após participar de apresentação sobre o plano de recuperação fiscal do Rio, ao lado do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).

+ Inflação em agosto registra 0,19% e fica abaixo do esperado

O ministro elogiou o trabalho do BC. "O BC está reunido. Não acho produtivo se discutir o que o BC poderia fazer. O BC tem feito um trabalho com muito sucesso e responsabilidade, está em seu dia de reunião, portanto tenho certeza de que a decisão que tomar será a melhor para o País", afirmou Meirelles, ao ser questionado sobre o resultado do IPCA de agosto e seu efeito na política monetária.

Segundo Meirelles, além do aumento do poder de compra da população, Meirelles destacou que a inflação "permite às empresas investirem com maior segurança". "Os juros estão caindo, os juros de mercado de longo prazo estão num nível já bastante baixo dentro dos padrões históricos brasileiros. Tudo isso se soma no processo de recuperação da economia", completou o ministro.

Mercado.  Os dados que apontam para a recuperação da economia sustentam a valorização dos indicadores do mercado financeiro, afirmou Meirelles. Pouco depois de 13 horas, o Ibovespa subia 1,30%, enquanto o dólar recuava 0,22%, a R$ 3,109.

"Tem uma série de dados econômicos favoráveis criando as condições para que os índices de mercado financeiro também comecem a se valorizar", disse Meirelles, após participar de apresentação sobre o plano de recuperação fiscal do Rio, ao lado do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).

"Os mercados estão apostando que a situação vai continuar a melhorar e que, muito importante, as reformas fundamentais estão sendo e serão aprovadas pelo Congresso Nacional", afirmou o ministro.

Meirelles disse ainda que a economia real "começa a mostrar dados de crescimento concreto.

"Crescimento de emprego, diminuição da taxa de desemprego. O número de desempregados caiu em quase 500 mil e isso é apenas o início do processo. Na produção de automóveis, foi divulgado hoje um aumento de 45% em relação ao ano passado", afirmou o ministro.

Meirelles citou a Bolsa, o câmbio, os juros longos e o risco-País como indicadores que estão com movimento favorável. "Se fizermos uma ponderação de todos esses itens, vamos ver que o País está indo para uma situação ainda mais favorável", afirmou o ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.