Inflação cai para 0,28% na primeira prévia do IPC-Fipe

A inflação abriu o mês de março em queda na cidade de São Paulo. A primeira quadrissemana do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), divulgada nesta segunda-feira, 12, pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da USP, foi de 0,28%, contra variação de 0,33% no índice fechado de fevereiro. O indicador ficou dentro das projeções dos analistas do mercado financeiro, que iam de 0,27% a 0,35%.Na comparação com o mês passado, dos sete grupos que compõem o IPC, apenas habitação registrou elevação - passou de 0,17% em fevereiro para 0,19% na primeira prévia de março. Houve desaceleração nos grupos alimentação (de 0,50% para 0,44%), transportes (de 0,44% a 0,40%), despesas pessoais (de 0,37% para 0,20%), saúde (de 0,89% para 0,61%) e educação (de 0,12% para 0,01%). A deflação no segmento vestuário foi reduzida de -0,72% para -0,28%.PerspectivasO coordenador do IPC-Fipe, Márcio Nakane, afirmou que a inflação de março na cidade de São Paulo deverá ser menor que a estimada na semana passada. Segundo ele, o índice deverá ficar entre 0,27% e 0,30%, um intervalo abaixo do índice exato de 0,30%, anunciado por ele anteriormente.Segundo ele, a nova estimativa foi adotada por conta da tendência de menor contribuição de itens que vem impactando a inflação na capital paulista, como o frango, ovos, Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e contratos de assistência medica. "Fatores de maior impacto estão exercendo menor pressão no índice", comentou o coordenador.Nakane disse, ainda, que a própria divulgação do índice da primeira quadrissemana foi importante para verificar o cenário atual da inflação e qual o caminho que será tomado pelo IPC-Fipe. "É difícil fazer uma previsão no fechamento de um mês, pois não temos os primeiros sinais da inflação do mês seguinte. Agora, já temos uma quantidade maior de informações, ou seja, 25% do índice de março", explicou o coordenador, em referência aos quatro levantamentos previstos para o período.Para o encerramento de 2007, Nakane preferiu não modificar a estimativa. Segundo ele, o IPC chegará ao final de dezembro com alta acumulada de 3,7%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.