Inflação de alimentos eleva confiança da baixa renda

Os consumidores das classes mais baixas nunca estiveram tão otimistas, segundo a Sondagem de Expectativas do Consumidor de março, divulgada hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Além do mercado de trabalho forte, houve forte contribuição da desaceleração da inflação nos preços dos alimentos.

DANIELA AMORIM, Agencia Estado

26 de março de 2012 | 12h46

Na faixa de consumidores que ganha até R$ 2.100,00, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) saiu de 116,7 pontos em fevereiro para 122,3 pontos em março. Entre os que ganham de R$ 2.100,01 a R$ 4.800,00, o ICC passou de 123,3 pontos em fevereiro para 128,2 pontos em março. Ambos atingiram o mais alto nível da série, iniciada em setembro de 2005.

"Os números confirmam que a deterioração da inflação contribuiu para que esses consumidores ficassem mais otimistas e satisfeitos com a situação atual, voltando a comprar, principalmente na faixa de renda 1", afirmou Viviane Seda, economista do Instituto Brasileiro de Economia da FGV.

Tudo o que sabemos sobre:
consumoconfiançaFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.