Inflação de alimentos reflete uso de biocombustíveis, diz FMI

Segundo Fundo, impacto seria menor se EUA e UE reduzissem barreiras ao produto de países como o Brasil

Nalu Fernandes, da Agência Estado,

17 de outubro de 2007 | 12h21

Entre as razões para a aceleração da inflação de alimentos está a pressão derivada do uso do milho e outros itens para a produção de biocombustível, afirma o Fundo Monetário Internacional (FMI) no relatório Perspectiva Econômica Global (WEO, na sigla em inglês). "Os países que miram o núcleo da inflação para suas decisões de política monetária precisam monitorar os preços de alimentos cuidadosamente e responder rapidamente se os movimentos nos preços estiverem ameaçando o alcance das metas de inflação", adverte o documento.   Veja também: Emergentes são principal motor do crescimento global, diz FMI Íntegra do relatório do FMI (em inglês)    Cálculos do Fundo indicam que, para o Hemisfério Ocidental, que compreende América Latina e Caribe, o impacto direto dos preços de alimentos no índice cheio de inflação aumentou de 25,6%, registrado no período de 2000 a 2006, para 37,2% nos quatro primeiros meses deste ano. No globo, a contribuição dos alimentos para a inflação aumentou de 26,6%, nos seis anos até 2006, para 36,4% nos quatro meses iniciais de 2007. No caso particular do Brasil, o Fundo estima que a contribuição dos alimentos para a inflação é menor que 25% nos quatro primeiros meses de 2007.   Diante da forte demanda por biocombustível, o FMI estima que a maior produção de etanol nos EUA deve representar 60% do aumento do consumo global de milho em 2007.   Para o Fundo, o aumento do uso de itens alimentícios como fonte de combustível é uma "ocorrência que pode alterar substancialmente a estrutura da demanda" por alimentos. Como os alimentos representam uma parcela significativa da exportação ou importação em vários países, preços mais altos podem ter impacto significativo sobre o resultado da balança comercial.   Segundo o FMI, a política de um determinado país para promover biocombustível "coloca risco adicional para inflação ou crescimento". Diante do risco de aquecimento excessivo e de avanço dos preços de alimentos em diversos países emergentes, "maior aperto monetário pode ser exigido".   O impacto sobre crescimento e inflação, estima o FMI, seria mitigado se os EUA e os países produtores de biocombustível da União Européia reduzissem as barreiras à importação do produto derivado de países em desenvolvimento, como o Brasil, onde a produção é mais barata, mais eficiente e menos prejudicial ambientalmente. "Uma mudança assim nas políticas forneceria oportunidade para outros países em desenvolvimento com vantagem comparativa potencial na produção de biocombustível para entrar na indústria".   No geral, avalia o Fundo, a inflação tem ficado contida nas economias avançadas, mas tem subido em diversos países emergentes e em desenvolvimento, refletindo preços mais elevados de energia e alimentos. Além do uso de alimentos para produção de biocombustível, o FMI acrescenta que a aceleração dos custos dos alimentos também está ligada à condição do clima em alguns países. "Forte demanda tem mantido os preços do petróleo e de outras commodities elevados".   Doha   O relatório comenta também a Rodada Doha de negociações, afirmando que o seu "progresso lento é profundamente desapontador". Para o FMI, os principais países deveriam demonstrar "liderança e voltar a energizar o processo".   O documento revela que os diretores executivos do Fundo manifestam preocupação sobre a falta de progresso na Rodada Doha diante do risco de que isto encoraje medidas protecionistas.   Outros temas que também exigem uma abordagem multilateral, enumera o FMI, são a questão de mudança do clima e a segurança na área de energia. "O aquecimento global talvez seja o maior problema de ação coletiva no mundo, no qual as conseqüências negativas de atividades individuais são sentidos amplamente por outros".   Para o FMI, a política de energia deveria focar menos em tentar proteger fontes nacionais de energia e mais em garantir o funcionamento regular do mercado de petróleo e outras fontes de energia, encorajando a diversificação de fontes. "Por exemplo, reduzindo barreiras ao comércio de biocombustíveis".  

Tudo o que sabemos sobre:
FMIinflaçãobiocombustíveis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.