bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Inflação de fevereiro em SP fica em 0,26%

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do mês de fevereiro fechou em alta de 0,26%, dentro das perspectivas dos analistas ouvidos pela Agência Estado, que previam um aumento entre 0,15% e 0,40%. O IPC de fevereio foi um pouco menor do que o da terceira quadrissemana do mês (+0,28%), mas substancialmente mais baixo na comparação com o fechamento do primeiro mês do ano, quando o índice foi de +0,57%. O grupo Alimentos, responsável pelo aumento das estimativas de inflação, registrou a segunda maior alta (+0,87%), quase estável em relação ao 0,85% da terceira quadrissemana, sem também apresentar muita alteração na comparação com o fechamento de janeiro (+0,90%). Apenas dois itens subiram em relação a janeiro: Saúde e Transportes. O maior deles foi Saúde (+1,43%), que repetiu, com alta, a tendência do período anterior (+1,17%), superior aos 0,29% de janeiro. Transportes teve variação negativa (-0,41%), mas houve alta em relação à queda de -1,02% da pesquisa anterior (em janeiro, a variação foi de -0,99%). Educação, que registrou as maiores altas do início do ano até a segunda quadrissemana de fevereiro, caiu em relação à terceira prévia (0,36% ante 0,78%), mas a diferença é ainda mais acentuada quando se considera a alta de 4,61% de janeiro. Todos os demais itens caíram na comparação com a terceira prévia do mês. Veja a variação dos itens que compõem o IPC: Habitação: +0,26%; Alimentação: +0,87%; Transportes: -0,41%; Despesas Pessoais: -0,41%; Saúde: +1,43%; Vestuário: -0,45%; Educação: +0,36%; Índice Geral: +0,26%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.