Inflação de julho encerra em 0,30%

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da USP, registrou alta de 0,30% no encerramento de julho. A inflação ficou dentro da margem prevista pelos 13 analistas ouvidos pela Agência Estado, que apostavam num intervalo entre 0,10% e 0,34%. O IPC foi maior do que o registrado na terceira quadrissemana do mês, quando o índice foi de 0,17%. Em junho, o índice registrou deflação de 0,20%. O grupo Despesas Pessoais registrou a maior alta do período pesquisado, com elevação de 1,35%. Esse porcentual foi maior do que o da terceira quadrissemana (1,02%) e muito superior ao apurado em junho, quando a variação foi de 0,15%. Saúde veio a seguir, com alta de 1,12%, também acima do 0,81% da semana passada e do aumento do 0,76% do mês anterior. Vestuário subiu 0,88%, abaixo da variação de 1,02% da terceira prévia do mês, porém, muito acima do registrado em junho, quando houve retração de 0,16%. O item Transportes avançou 0,59%, ante 0,35% da pesquisa divulgada semana passada e queda de 0,11% no mês anterior. Habitação subiu 0,23% no encerramento de julho, sem grandes alterações na comparação com o registrado na terceira prévia do mês (0,28%) e com o fechamento do mês passado (0,21%). Já Educação teve variação menor no sétimo mês do ano em relação aos demais períodos. Em julho, o grupo teve alta de 0,07%, ligeiramente abaixo do apurado na terceira quadrissemana do mês (0,08%), e muito inferior ao 0,22% do encerramento de junho. Alimentação baixou 0,74% no período pesquisado, mostrando a desaceleração da queda dos itens que compôem o grupo. Semana passada, a deflação do grupo foi de 0,96% e em junho chegou a 1,39%. Veja as variações dos itens que compõem o IPC: Habitação: +0,23%; Alimentação: -0,74%; Transportes: +0,59%; Despesas Pessoais: +1,35%; Saúde: +1,12%; Vestuário: +0,88%; Educação: +0,07%; Índice Geral: +0,30%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.