coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Inflação de tarifas públicas vai voltar com força em 2015

Reajuste deve fazer com que o IPCA dos preços administradossupere a alta dos preços livres, segundo projeções de consultorias

MÁRCIA DE CHIARA, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2014 | 02h04

A inflação dos preços administrados vai voltar com força em 2015 e deve superar a alta dos preços livres, o que não acontecia desde 2009. Reajustes da tarifa de ônibus, trem, metrô, energia elétrica, gasolina e do diesel, represados durante muito tempo, devem fazer com que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) dos administrados supere o dos preços livres, afetados pelo fraco dinamismo da economia, na avaliação dos economistas. Os preços administrados respondem por quase um quarto do IPCA.

As projeções das consultorias para a inflação dos preços administrados em 2015 variam, com diferenças de quase dois pontos porcentuais. Mas o ponto comum entre as projeções é que a alta das tarifas deve superar a elevação dos preços livres.

A LCA Consultores, por exemplo, projeta alta de 6,67% dos preços administrados para 2015, ante elevação de 6,04% para os preços livres. Para este ano, a estimativa da consultoria é de uma elevação de 4,52% da inflação das tarifas e 7,13% dos preços livres. "Desde 2009 não havia essa inversão na dinâmica da inflação, com os preços administrados subindo mais que os livres", observa o economista da LCA, Fábio Romão.

Ele lembra que, em 2009, por causa dos efeitos da crise financeira, os preços livres arrefeceram e subiram 4,25%. Eles ficaram abaixo dos administrados, com alta de 4,54%. Agora, o cenário é de uma inflação reprimida dos preços administrados que deve vir à tona em 2015.

Para este ano, a consultoria projeta aumento de médio de 14,5% para eletricidade e mais 9,5% para 2015. Para os ônibus urbanos, também é esperado um reajuste elevado sobre uma base alta: de 4,1% em 2014 e 5% em 2015. No caso da gasolina e do diesel, a consultoria espera reajustes de 8% e de 5,9%, respectivamente para 2015.

A consultoria Tendências espera reajustes mais salgados para as tarifas do que a LCA para este ano e o próximo. Nas contas da economista Adriana Molinari, os preços administrados devem subir 5,09% em 2014 e 7,64% em 2015. Ela destaca o salto dos administrados que deve ocorrer este ano, com variação de 5,09% ante variação de 1,52% em 2013, e reafirma a disparada das tarifas em 2015.

"O preço da energia elétrica caiu 15,65% em 2013 e o aumento médio esperado para este ano é de 17,5%. Esse é um item relevante que contribuiu para o salto dos administrados neste ano", diz ela. Para 2014, Adriana projeta reajuste de 10% para a energia elétrica, de 10% para a gasolina na bomba, além do reajuste das tarifas de transporte.

Em contrapartida, ela observa que os preços livres devem arrefecer em 2015 por causa da atividade fraca. Para 2014, ela prevê que a inflação dos livres deve atingir 6,61%, ante 7,27% em 2013. E para 2015, os preços livres devem subir 5,85%. Detalhe: para este ano e o próximo, a economista projeta IPCA de 6,3%. "A desaceleração dos preços livres deve ser compensada com a alta dos administrados."

Realinhamento. O realinhamento progressivo dos preços administrados deve ficar nítido no ano que vem. Nas contas do economista da Rosenberg Consultores, Leonardo França, a inflação das tarifas deve atingir 8,5% em 2015, enquanto os preços livres devem aumentar 5,3%. Para 2015, ele espera reajuste de 20% para energia elétrica, 10% para a gasolina e 10% para a tarifa de ônibus.

Na opinião de Costa e dos demais economistas, é pouco provável que o governo reajuste o preço da gasolina neste ano, após as eleições. A razão para adiar o reajuste para 2015 é que não haveria espaço para comportar o aumento este ano sem estourar o teto da meta de inflação de 6,5%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.