Roberto Sebba/Divulgação
Roberto Sebba/Divulgação

Inflação desacelera em junho e sobe 0,35%, menor taxa desde agosto de 2015

Feijão carioca e leite longa vida foram responsáveis por 60% do índice; IPCA acumula alta de 4,42% no primeiro semestre e de 8,84% em 12 meses

Raquel Brandão e Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

08 Julho 2016 | 09h47

Após a forte aceleração em maio (0,78%), a inflação perdeu força no mês de junho. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado nesta sexta-feira, 8, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apresentou variação de 0,35% no mês passado, menos da metade da taxa de maio e o menor valor desde agosto de 2015, quando o indicador ficou em 0,22%.

No primeiro semestre, a inflação subiu 4,47%, abaixo dos 6,17% registrados no mesmo período de 2015. O resultado acumulado em 12 meses desacelerou de 9,32% em maio para 8,84% em junho, menor resultado para um período equivalente desde maio de 2015, quando estava em 8,47%.

Na passagem de maio para junho, o ritmo de aumento de preços desacelerou em sete dos nove grupos de produtos e serviços que integram o IPCA. Os únicos grupos que registraram taxas maiores foram Transportes (que saiu de uma queda de 0,58% em maio para uma redução menor, de -0,53% em junho), e Comunicação (que passou de 0,01% para 0,04% no período).

Embora a queda de Transportes tenha sido menos intensa do que no mês anterior, o grupo contribuiu com -0,10 ponto porcentual para a taxa de 0,35% do IPCA do mês. As passagens aéreas recuaram 4,56% em junho. O litro da gasolina caiu 1,22%, enquanto o etanol ficou 0,64% mais barato.

Segundo o IBGE, em meio ao cenário de redução na renda do trabalhador e aumento do desemprego, o enfraquecimento da demanda ficou mais evidente na trajetória da inflação. Em junho, vários itens registraram queda de preços por conta do aperto no orçamento das famílias.

"A passagem aérea é um clássico. As empresas aéreas estão com problema de faturamento, diminuindo voos. No caso da boate, as pessoas não estão se divertindo tanto mais. O próprio hotel, o automóvel, as compras dos eletrodomésticos... A gente pode dizer que é um efeito demanda", afirmou Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE. ‎Os preços das passagens aéreas recuaram 4,56%; o item boate e danceteria caiu 2,00%; excursão encolheu 1,84%; hotel teve queda de 1,43%; automóvel novo caiu 0,90% e eletrodomésticos, 0,57%.

 

Feijão e leite. No extremo oposto, os alimentos tiveram um impacto positivo de 0,18 ponto porcentual sobre a inflação, resultado de um aumento de 0,71% nos preços em junho (ante alta de 0,78% em maio). Segundo o IBGE, apenas dois produtos alimentícios foram responsáveis por 60% da inflação de junho. O quilo do feijão-carioca ficou 41,78% mais caro em junho, uma contribuição de 0,11 ponto porcentual para o IPCA no mês. Já o litro do leite longa vida aumentou 10,16%, um impacto de 0,10 ponto porcentual.

"A resistência dos preços está nos alimentos, é na alimentação, que depende do clima", explicou Eulina. "O feijão-carioca é o mais consumido no País. Não tem em outro lugar, não dá para importar. Tem se importado o feijão preto", completou.

No caso do leite, os pecuaristas estão gastando mais com a ração para o gado, por conta de problemas com o pasto e pela redução na safra nacional de milho. Juntos, o feijão-carioca e o leite longa vida deram uma contribuição de 0,21 ponto porcentual para o IPCA. 

Outras altas relevantes em junho foram do feijão-mulatinho; feijão-preto; feijão-fradinho; manteiga; chocolate em barra e bombom; fubá de milho; alho; leite em pó; café moído e ovos.

"Os alimentos têm subido por conta de problemas climáticos, que têm acontecido neste ano e (aconteceram) no fim do ano passado. Teve muita chuva. No caso do feijão-carioca, o principal produtor é o Paraná. Tem diminuído a oferta de feijão. É o prato típico do brasileiro, feijão com arroz. A saca do feijão-carioca, que nessa época ficava em torno de R$ 120,00, este ano chegou a R$ 500,00, até R$ 600,00", disse Eulina.

Por outro lado, os produtos que tiveram reduções de preços mais relevantes foram: cenoura, cebola, açaí, tomate, frutas, pescado, óleo de soja, açúcar refinado, frango inteiro, pão de forma e doces.

Habitação. Após o repique de 10,37% registrado em maio, a taxa de água e esgoto apresentou variação de 2,64% em junho. Apesar da desaceleração no ritmo de aumento, ainda houve pressões de Salvador, Brasília, Belo Horizonte e São Paulo.

Já o item energia elétrica diminuiu o ritmo de alta de 2,28% em maio para 0,05% em junho, refletindo os resultados de Curitiba e Porto Alegre. Em Belo Horizonte, a conta de luz aumentou 3,26%, devido ao reajuste de 3,78% em 28 de maio. Além disso, em oito das 13 áreas pesquisadas houve redução nas alíquotas do PIS/COFINS sobre a tarifa de energia elétrica.

Baixa renda. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a variação dos preços para as famílias com renda de um a cinco salários mínimos e chefiadas por assalariados, ficou em 0,47% em junho, após ter registrado alta de 0,98% em maio,

Com o resultado, o índice acumulou alta de 5,09% no decorrer do primeiro semestre. No acumulado em 12 meses, a taxa ficou em 9,49%.  Em junho de 2015, o INPC tinha sido de 0,77%.

Mais conteúdo sobre:
Ipca Inflação Preço

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.