Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Inflação desacelera em seis capitais e sobe apenas em BH

Apresentaram desaceleração de preços: São Paulo; Brasília; Porto Alegre; Recife; Rio de Janeiro e Salvador

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

19 de agosto de 2008 | 08h25

A inflação no varejo, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), apresentou elevação menos intensa de preços em seis das sete cidades pesquisadas para cálculo do índice. A única cidade a apresentar aceleração de preços, na passagem da primeira para a segunda leitura do indicador no mês, foi Belo Horizonte (de 0,43% para 0,60%). Veja também:Com alimentos, inflação pelo IPC-S é a menor desde março Inflação pelo IGP-10 desacelera e sobe 0,38% em agostoIPCA desacelera a 0,53% em julho ajudado por alimentosComo investir seu dinheiro no período de inflação  De olho na inflação, preço por preço Entenda os principais índices Entenda a crise dos alimentos Segundo a entidade, os preços na cidade de São Paulo perderam força, no âmbito do IPC-S. A inflação na capital paulista subiu 0,36% no índice apurado até a sexta-feira da semana passada (dia 15), em comparação com a alta de 0,51% apurada na leitura anterior do IPC-S, de até 7 de agosto. Além de São Paulo, outras cinco cidades apresentaram elevação de preços menos intensa, no mesmo período. É o caso de Brasília (de 0,47% para 0,4%); Porto Alegre (de 0,65% para 0,23%); Recife (de 0,38% para 0,32%); Rio de Janeiro (de 0,2% para 0,15%); e Salvador (de 0,65% para 0,52%). Embora todas as cidades contribuíam para a formação do IPC-S, a inflação na cidade de São Paulo é a de maior peso no cálculo do índice. Ontem, a FGV informou que a segunda prévia de agosto do indicador também mostrou desaceleração, de 0,44% para 0,34%, na passagem da primeira para a segunda leitura deste mês. Alimentos em queda Um dos principais motivos para a desaceleração da inflação é a queda do preço dos alimentos. Estes preços estão caindo há algumas semanas e este movimento é explicado pela forte queda do preço das commodities no exterior. O fato é que o preço de alguns produtos subiram muito com a expectativa de demanda maior e como ativos para especulação financeira. Esta tendência de alta foi revertida nos últimos dias e o preço dos alimentos despencaram no exterior. Além disso, a queda do preço do petróleo contribui para a queda das cotações agrícolas, pois reduz o custo com transportes. Para se ter uma idéia, os preços dos alimentos na capital paulista chegaram a atingir deflação de 0,02% no IPC-S de até 15 de agosto, após ter registrado alta de 0,50% no índice de até 7 de agosto. Segundo o economista, da FGV, André Braz, entre os destaques de quedas e desacelerações de preços no setor de alimentos estão as movimentações de preços em carnes bovinas (de 0,83% para -0,77%); hortaliças e legumes (de -3,05% para -4,55%) e arroz e feijão (de 0,54% para -0,36%). Mas Braz comentou que, no caso de São Paulo, não é possível classificar como "generalizada" as taxas de inflação menos intensas no setor de alimentos. "Foram registradas várias quedas e desacelerações sim, em itens importantes. Mas ainda há alimentos subindo de preço", disse. Segundo ele, na capital paulista, entre os exemplos de alimentos com preços em alta, estão as variações de preços em frutas (de 1,52% para 2,89%); e adoçantes (de -0,57% para 0,03%). No Rio de Janeiro, segunda capital de maior peso no cálculo do IPC-S, perdendo apenas para São Paulo, também houve elevação de preços menos intensa (de 0,20% para 0,15%). "O Rio de Janeiro registrou a menor taxa de inflação entre as sete cidades pesquisadas", disse. Ele explicou que a deflação nos preços dos alimentos na capital fluminense se intensificou (de -0,24% para -0,64%) principalmente porque houve uma grande queda de nos preços dos itens in natura, como hortaliças e legumes (de -4,5% para -8,22%). Perspectivas Em agosto, os preços dos alimentos devem continuar caindo ou subindo menos, contribuindo para taxas reduzidas do IPC-S nas capitais. "Mas não há como saber o que vai acontecer em setembro", disse, explicando que ainda é muito cedo para antecipar o comportamento nos preços dos alimentos no próximo mês.

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoIPC-S

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.