finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Inflação desacelera na terceira semana de outubro

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) de até 22 de outubro subiu 0,14%, ante aumento de 0,18% apurado no indicador anterior, apurado até 15 de outubro, segundo informações da Fundação Getúlio Vargas (FGV).A taxa anunciada nesta segunda-feira ficou no piso das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado, que esperavam um resultado entre 0,14% a 0,18%, e abaixo da mediana das expectativas, que estavam em 0,17%.De acordo com a FGV, a taxa menor do indicador foi influenciada por desacelerações e quedas de preços em cinco dos sete grupos que formam o IPC-S, na passagem do índice de até 15 de outubro para o indicador de até 22 de outubro.Este é o caso de Habitação, que teve redução de 0,22% para 0,15%; Vestuário, baixa de 1,32% para 1,26%; Educação, Leitura e Recreação, queda de 0,21% para 0,09%; Transportes, baixa de -0,27% para -0,35%; e Despesas Diversas, que apresentou redução de 0,42% para 0,32%.Os únicos grupos a registrarem aceleração ou alta expressiva de preços, no mesmo período, foram Alimentação, alta de -0,01% para 0,04%; e Saúde e Cuidados Pessoais, crescimento de 0,39% para 0,42%.Por produtos, as altas de preço mais expressivas foram registradas nos preços de limão, aumento de 18,07%; batata-inglesa, alta de 8,86%; e tomate, crescimento de 12,10%.Já as quedas de preços mais significativas foram registradas em mamão da amazônia - papaya, redução de 41,76%; manga, queda de 17,62%; e álcool combustível, baixa de 5,63%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.