Inflação desacelera para terceira idade

O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a inflação entre a população idosa, subiu 0,07% no segundo trimestre deste ano, segundo informou nesta sexta-feira a Fundação Getúlio Vargas (FGV). No primeiro trimestre deste ano, o indicador registrou aumento de 1,79%. Em comunicado, a FGV informou que as maiores contribuições para a taxa menor do IPC-3i partiram dos grupos Alimentação, Educação, Leitura e Recreação e Transportes. Embora não tenha fornecido as variações de preços, no período, para esses grupos, a fundação esclareceu que esses grupos foram influenciados, respectivamente, por quedas de preços em frutas (-13,47%); passeios e férias (-9,07%) e combustíveis e lubrificantes (-3,46%). De acordo com a fundação, a redução na taxa do IPC-3i só não foi mais intensa devido às elevações de preços, no segundo trimestre do ano, registradas em Habitação (1,04%) e Saúde e Cuidados Pessoais (2,70%). No primeiro grupo, houve a influência de aumento de preços em empregados domésticos (5,92%); no caso do segundo, ocorreu o impacto de elevação de preços em plano de saúde (3,66%). O IPC-3i mede o comportamento de preços no custo de vida de famílias cuja composição é de pelo menos 50% de indivíduos com mais de 60 anos de idade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.