Inflação deve ser menor em abril, prevê FGV

A queda do dólar neste mês deverá desacelerar a alta dos preços no atacado e levar o IGP-DI de abril a uma variação inferior à de março (1,66%), segundo estimativa do economista Salomão Quadros, da Fundação Getúlio Vargas. "A queda do dólar deve abrir caminho para diminuir a resistência à queda da inflação".Em março, a alta da taxa foi puxada especialmente pelo IPA, que aumentou 1,93% contra 1,71% em fevereiro. Para Quadros, o aumento foi provocado por uma inércia inflacionária, ou seja, ainda por pressões anteriores da alta do dólar.O economista não espera uma queda significativa nos preços ao consumidor. Ele cita que os preços da alimentação no IPC estão "estacionados", com alta de 1,92% em março, ante 2,03% em abril. As maiores altas ao consumidor foram registradas no tomate (34,81%, por problemas na lavoura), taxa de água e esgoto (4,49%), ônibus urbano (1,18%) e telefone residencial (1,19%). A alta no núcleo do IPC-DI (que exclui as 20% maiores e menores variações de preços ao consumidor no IGP-DI) em março mostra que a inflação para o consumidor "está mais espalhada, presente em vários setores e portanto mais difícil de ser revertida", segundo o economista.

Agencia Estado,

09 de abril de 2003 | 18h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.