Inflação do 2º semestre deve ser menor, diz Fipe

Pela primeira vez, a Fipe deve registrar uma inflação acumulada menor no segundo semestre do ano do que a da primeira metade de 2005. Esta é a previsão do coordenador do IPC-Fipe, Paulo Picchetti. De acordo com ele, até o momento, a inflação acumulada está em 3%, e como o coordenador prevê estabilidade dos preços ou uma leve deflação em junho, a taxa do primeiro semestre deve ficar muito próxima dessa variação. Como Picchetti prevê que o IPC vá encerrar o ano em um intervalo de 5% a 5,5%, sobram de 2 a 2,5 pontos porcentuais de inflação na segunda metade do ano."Esta divisão é bem diferente da dos anos anteriores, quando a alta dos preços era mais concentrada no início do ano", comparou. Desta forma, a inflação mensal média esperada pelo coordenador até dezembro girará entre 0,30% e 0,40%. O coordenador salientou que grande parte desta inversão reflete o índice menor de reajuste das tarifas públicas, os IGPs. "Um porcentual menor de aumento faz muita diferença para a inflação, porque os preços administrados são muito fortes no índice de preços ao consumidor", explicou.Mesmo assim, segundo ele, agosto deve registrar, como em anos anteriores, o pico da inflação. Além de agosto, outros picos menores ocorrem em janeiro, com o reajuste das mensalidades escolares, e no final do ano, em função do Natal e do aumento de preço da tarifa de água e esgoto na capital paulista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.