J Scott Applewhite/AP
J Scott Applewhite/AP

'Inflação do aluguel' acelera em setembro e registra alta de 10,66% em 12 meses

Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) acelerou de 0,15% em agosto para 0,20% em setembro e teve variação acumulada até agosto de 6,46% , segundo FGV

Thaís Barcellos, O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2016 | 09h27

SÃO PAULO - O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) encerrou setembro com alta de 0,20%, após subir 0,15% no mês anterior, com o avanço no atacado se sobrepondo à desaceleração dos preços ao consumidor. A variação acumulada do IGP-M no ano até agosto foi de 6,46% e em 12 meses, de 10,66%. O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de energia elétrica e aluguel de imóveis. 

O resultado do IGP-M deste mês ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast, entre 0,05% e 0,32%, e abaixo da mediana de 0,23%.

Entre os três indicadores que compõem o IGP-M, o IPA-M saiu de 0,04% para 0,18%. O IPC-M passou de 0,40% para 0,16%. O INCC-M subiu de 0,26% para 0,37%.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que mede a variação dos preços no atacado e responde por 60% do índice geral, acelerou a alta a 0,18% em setembro, após variação positiva de 0,04% em agosto. O índice relativo aos produtos industriais apresentou avanço de 0,53%, contra alta de 0,10% no mês anterior. 

De acordo com a FGV, entre as maiores influências de alta no IPA de setembro estão minério de ferro (3,21% para 8,56%), carne bovina (-1,35% para 4,97%), mandioca (6,01% para 8,95%), cana-de-açúcar (2,00% para 2,13%) e carne de aves (-0,16% para 4,53%).

Os preços no varejo, por outro lado, mostraram menor pressão, com o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem peso de 30% no IGP-M, avançando 0,16% no mês, depois de alta de 0,40% no mês em agosto. O destaque, segundo a FGV, foi o grupo alimentação, cuja alta dos preços passou a 0,09% em setembro, ante 0,66%. 

A principal contribuição para a desaceleração registrada no Índice de Preços ao Consumidor (IPC) apurado para composição do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) veio do grupo Alimentação. De agosto para setembro, o IPC-M passou de 0,40% para 0,16%. Nesta classe de despesa, a FGV destacou o comportamento do item laticínios, que passou de uma deflação de 6,46% para -1,39%. 

As maiores influências de queda para o IPC-M na passagem de agosto para setembro foram leite batata inglesa (-15,58% para -22,08%), leite tipo longa vida (9,07% para -5,84%), gasolina (0,16% para -1,13%), alface (apesar de a deflação ter diminuído de -10,56% em agosto para -7,93% em setembro) e cebola (mesmo com o recuo da deflação de -24,57% para -13,43%).

A lista de maiores pressões positivas, por sua vez, é composta por plano e seguro de saúde (que manteve a variação de 1,05 de agosto), refeições em bares e restaurantes (apesar da desaceleração de 0,92% para 0,47%), banana-nanica (de 7,98 para 28,39%), tomate (-7,09% para 10,88%) e show musical (a despeito da queda de 9,29% para 3,43%)./COM REUTERS

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULOIGP-MIPCFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.