Inflação do aluguel perde força e sobe 0,15% em julho, diz FGV

Resultado ficou dentro das estimativas; no mês anterior, o IGP-M havia avançado 0,85%

Jacqueline Farid, da Agência Estado,

29 de julho de 2010 | 08h04

O IGP-M subiu 0,15% em julho, após avançar 0,85% em junho, segundo divulgou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta quinta-feira, 29. O resultado ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE-Projeções, que esperavam um resultado entre -0,05% e +0,18%, mas acima da mediana das expectativas (+0,05%).

A FGV anunciou ainda os resultados dos três sub-indicadores que compõem o IGP-M de junho. O IPA-M avançou 0,20% este mês, após subir 1,09% em junho. Por sua vez, o IPC-M apresentou queda de 0,17% em julho, em comparação com a queda de 0,18%% no mês passado. Já o INCC-M registrou taxa positiva de 0,62%% este mês, em comparação com a elevação de 1,77% em junho.

A taxa acumulada do IGP-M é muito usada no cálculo de reajustes de aluguel. Até julho, o indicador acumula taxas de inflação de 5,85% no ano e de 5,79% em 12 meses. O período de coleta de preços para cálculo do IGP-M de junho foi do dia 21 de junho a 20 de julho. 

A inflação nos preços dos produtos agrícolas no atacado acelerou este mês, com alta de 0,28% em julho, após aumento de 0,15% em junho, no âmbito do IGP-M. De acordo com a fundação, ainda no atacado, os preços dos produtos industriais desaceleraram, com alta de 0,18% em julho, ante 1,39% em junho.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais caíram 0,34% em julho, após uma queda de 0,42% em junho. Por sua vez, os preços dos bens intermediários registraram elevação de 0,01% este mês, em comparação com a alta de 0,80% em junho. Já os preços das matérias-primas brutas apresentaram aumento de 1,22% em julho, ante alta de 3,67% em junho.

Tudo o que sabemos sobre:
igp-mjulhoinflação do aluguelfgv

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.