Hélvio Romero|Estadão
Hélvio Romero|Estadão

'Inflação do aluguel' sobe 0,01% em março, taxa mais baixa para o mês desde 2009

Com recuo dos preços no atacado o índice ficou praticamente estável no mês

Thaís Barcellos, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2017 | 09h07

SÃO PAULO - O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) registrou tímida alta de 0,01% em março ante avanço de 0,08% em fevereiro, divulgou nesta quinta-feira, 30, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Essa taxa é a mais baixa para o mês desde 2009. O índice é conhecido como "inflação do aluguel" por ser utilizado como referência para a correção de valores de contratos de aluguel e de energia elétrica.

Os dados divulgados pela Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira, 30, mostram que o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que mede a variação dos preços no atacado e responde por 60% do índice geral, apresentou queda de 0,17%, após recuo de 0,09% no mês anterior.

Somente os Bens Intermediários recuaram 0,39%, após avanço de 0,99% no mês anterior. A FGV destacou o subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção como principal responsável pela queda.

Já os Produtos Agropecuários tiveram queda de 0,99% no mês, ante recuo de 0,88% em fevereiro.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), com peso de 30% no IGP-M, avançou 0,38%, após alta de 0,39% em fevereiro.

A principal contribuição para esse resultado, segundo a FGV, partiu do grupo Educação, Leitura e Recreação, com recuo de 0,29% ante alta de 2,15% em fevereiro, com destaque para o comportamento do item cursos formais.

Por outro lado o grupo Alimentação passou a mostrar alta de 0,40% nos preços em março, após queda de 0,22% anterior, com destaque para hortaliças e legumes.

Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) desacelerou a alta a 0,36%, contra 0,53% antes.

O resultado do índice ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast, entre queda de 0,05% e alta de 0,22%, e abaixo da mediana de 0,05%. / COM REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.