Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Inflação dos EUA tem a maior queda anual desde 1950

IPC subiu 0,1% em julho ante junho, mas cedeu 2,1% em comparação a julho do ano passado

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

14 de agosto de 2009 | 09h55

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) registrou sua maior queda anual desde 1950 em uma indicação de que a inflação não é uma ameaça para a economia ou para o Federal Reserve. O CPI ficou estável em base mensal em julho e o núcleo do índice, que exclui alimentos e energia, subiu 0,1%. Ambas variações confirmaram a previsão dos economistas ouvidos pela Dow Jones.

 

Veja também:

especialESPECIAL: Dólar, o fim de uma era?

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 

Em comparação a julho do ano passado, o CPI cedeu 2,1%, a maior queda em 12 meses já registrada desde janeiro de 1950. O núcleo do CPI subiu 1,5% em julho em comparação a julho do ano passado. Em agosto do ano passado, o CPI apresentava alta superior a 5% em termos anuais, antes de os preços do setor de energia e das commodities despencarem na esteira da recessão global. Mas economistas esperam que os preços fiquem positivos no final do ano, refletindo a alta dos preços de energia a partir do início deste ano e a melhora das condições econômicas mundiais.

 

O relato mostra que os preços de energia caíram 0,4% em julho em relação a junho e cederam 28,1% em relação a julho do ano passado. Os preços da gasolina caíram 0,8% em julho e os preços dos alimentos recuaram 0,3%. Os preços dos transportes subiram 0,2%. Os preços envolvendo todo setor imobiliário, que corresponde a 40% do CPI, caíram 0,2%.

 

Em relatório separado, o Departamento do Trabalho informou que o ganho médio semanal dos trabalhadores norte-americanos, ajustado à inflação, subiu 0,4% em julho em relação a junho. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
economiaconsumidorEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.