Inflação e corrupção na lista de problemas dos Kirchner

Quase cinco anos depois de Néstor Kirchner tomar posse como presidente da Argentina, e pouco mais de 100 dias após a chegada de sua mulher, Cristina Kirchner, à Casa Rosada, o chamado ?casal presidencial? está enfrentando sua pior crise. Um dos principais pesadelos do casal é a inflação. A alta de preços no país, que entrou em escalada há meses, acelerou a velocidade nas últimas duas semanas, coincidindo com a greve dos agricultores e o conseqüente desabastecimento no comércio argentino.Diversas consultorias econômicas afirmam que nesse período a cesta básica de alimentos registrou uma alta de 12,5% nos preços. Alejandro Catteberg, da consultoria Poliarquía, considera que ?a inflação, mais do que qualquer outro problema, tem capacidade de diluir rapidamente? a situação de popularidade de um presidente na Argentina. Os analistas afirmam que os argentinos já começaram a ficar cansados da manipulação que o governo faz no índice de inflação e da ?prepotência? do casal Kirchner.Além da pressão inflacionária, uma série de escândalos de corrupção, envolvendo alguns dos principais ministros argentinos, tem abalado há meses o governo. O mais notório é o ?Caso da Maleta?, cujo pivô é um misterioso empresário venezuelano, Guido Antonini Wilson, que em setembro passado tentou entrar no país com US$ 890 mil em uma maleta. O dinheiro foi descoberto e confiscado pela alfândega, fato que disparou suspeitas sobre o destino desses fundos. Venezuelanos detidos pela polícia dos Estados Unidos em Miami afirmam que o dinheiro seria usado na campanha eleitoral de Cristina Kirchner em 2007.Para completar a sucessão de problemas do casal Kirchner, a ameaça de uma nova crise energética no país, com a proximidade do inverno, não está descartada. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.