Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Inflação e endividamento seguraram vendas do Dia das Crianças

Preços altos e prioridade à renegociação de contas vencidas fizeram consumidor empurrar seus gastos para o Natal, avalia analista

Ana Pinho, especial para a Agência Estado,

14 de outubro de 2013 | 16h35

SÃO PAULO - As vendas do Dia das Crianças em 2013 cresceram menos que no ano passado, de acordo com indicadores divulgados nesta segunda-feira, 14. Segundo a Serasa Experian, entre os dias 5 e 11 de outubro de 2013, elas subiram 3,1%. O aumento em 2012 foi de 7,7%.

Apenas na cidade de São Paulo, o crescimento da semana que antecedeu o dia 12 foi de 3,4%, menos da metade dos 7,8% do ano anterior.

No levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) o desempenho apurado pelo comércio varejista entre os dias 5 e 11 de outubro foi o mais fraco para a data dos últimos quatro anos.

As vendas a prazo subiram 3,15% ante aumento de 4,80% no mesmo período do ano passado. Em 2011, a alta havia sido de 5,91% e chegou a 8,74% em 2010.

Entre as explicações oferecidas pelos especialistas dos dois serviços para as vendas mais fracas neste ano estão crédito mais restrito, pressão inflacionária e preocupação dos consumidores em pagar débitos atrasados.

"O consumidor brasileiro está mais cauteloso, fato que o leva a priorizar compras à vista e a renegociar dívidas já assumidas. Além disso, muitos estão se resguardando para consumir no Natal", Roque Pellizzaro Junior, presidente da CNDL.

Tudo o que sabemos sobre:
inflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.