Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Inflação e títulos cambiais testam humor do mercado

O relativo otimismo que temdominado os negócios no mercado brasileiro será posto à provanesta semana. Um dos principais testes para o bom humor dosinvestidores começa amanhã, com a primeira tentativa do BancoCentral (BC) de rolar US$ 2,3 bilhões de títulos e contratoscambiais que vencem no dia 2. Outro possível foco de tensão é adivulgação de três índices de preços nos próximos dias, que,segundo analistas, devem confirmar a recente escalada dainflação. O dólar, que atingiu R$ 4 em 10 de outubro, recuou comforça nas últimas semanas, oscilando entre R$ 3,50 e R$ 3,65. Odiscurso moderado de integrantes do PT acalmou o mercado,abrindo espaço para a volta do dinheiro especulativo, que vem aoPaís para aproveitar a diferença entre os juros internos eexternos. O êxito do BC na rolagem mais recente de papéiscambiais se deveu em boa parte à entrada desse capital arisco.Amanhã, a autoridade monetária vai ofertar 19.100 contratoscambiais, com três vencimentos diferentes, para rolar os US$ 2,3bilhões de papéis que vencem no dia 2. Se o BC conseguirsubstituir a maior parte desses títulos, a pressão sobre ocâmbio deve ser menor, que até agora não conseguiu romper osuporte de R$ 3,50. Para alguns analistas, o dólar só cairáconsistentemente abaixo desse nível depois da divulgação dosnomes da equipe econômica do futuro governo - e, claro, se essesnomes agradarem ao mercado. Inflação - A alta da inflação, principalmente por causado repasse da alta do dólar para os preços, tem preocupado osanalistas. Nesta semana, serão divulgados três índices bastanteimportantes. Na terça-feira é a vez do IPCA-15, do IBGE. O BBVBanco estima uma alta de 1,5%, refletindo em parte o recenteaumento dos combustíveis. Na quarta-feira, sai a terceira préviado IPC da Fipe, que, segundo o BBV, deve ficar na casa de 2%,também por causa do reajuste dos combustíveis. Na quinta-feira,a FGV vai divulgar o IGP-M de novembro. O BBV aposta numavariação de 4,6%, que, se confirmada, será a maior alta desdeagosto de 1994. Se os índices ficarem muito pressionados, as projeçõesde juros podem subir, aumentando a instabilidade no mercado. Osanalistas também vão ficar atentos à divulgação amanhã dapesquisa semanal do BC feita com 124 instituições, de olho nasexpectativas do mercado para a inflação. A piora dasexpectativas foi o principal motivo para o Comitê de PolíticaMonetária (Copom) elevar os juros básicos na semana passada, de21% para 22% ao ano. A ata da reunião do Copom será divulgada naquarta-feira. No cenário externo, os destaques são a divulgação doíndice de confiança do consumidor americano de novembro,terça-feira, quando também será divulgado os números sobre o PIBdos Estados Unidos no terceiro trimestre. Na quarta-feira, sai oLivro Bege, o diágnóstico do Federal Reserve (Fed, o bancocentral americano) sobre a economia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.