Inflação em SP desacelera mais que o esperado

Uma alta mais contida dos preços dosalimentos e o recuo nos custos com habitação garantiram umadesaceleração da inflação ao consumidor na capital paulista nasegunda quadrissemana de julho, mostraram dados divulgadosnesta sexta-feira. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da FundaçãoInstituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) registrou alta de 0,59por cento na segunda prévia de julho, depois de ter avançado0,77 por cento na abertura do mês. A desaceleração foi mais acentuada do que o esperado poranalistas consultados pela Reuters, que estimavam uma alta de0,66 por cento para o indicador na segunda quadrissemana domês, de acordo com a mediana de 10 projeções. As estimativas para o IPC da segunda quadrissemana de julhovariaram de 0,60 por cento a 0,85 por cento de alta. Os custos do grupo Alimentação, os principais vilões dainflação nos últimos meses, avançaram 1,85 por cento nestasegunda leitura do IPC de julho, abaixo da alta de 2,34 porcento apurado na leitura anterior. Os preços de Habitação registraram um recuo de 0,11 porcento, depois de terem avançado 0,12 por cento na abertura domês. Essa foi a única queda registrada entre os componentes doIPC da Fipe na segunda quadrissemana de julho. Os custos com Vestuário também registraram uma variaçãomenor do que a verificada na primeira quadrissemana. Os preçosforam reajustados em 0,09 por cento, seguindo a alta de 0,34por cento da primeira leitura. No segmento Educação, a alta registrada na segundaquadrissemana de julho foi de 0,07 por cento, abaixo do avançode 0,11 por cento na leitura anterior. O IPC mede a variação dos preços no município de São Paulode famílias com renda até 20 salários mínimos. (Reportagem de Renato Andrade)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.