Inflação em SP encerrará 2007 mais alta por alimentos

A inflação ao consumidor em São Paulosurpreendeu negativamente em novembro e forçou uma revisão dasestimativas para a variação esperada para o ano. Pelos novos cálculos, a inflação em São Paulo em 2007ficará em 4,4 por cento, e não mais em 3,6 por cento, informouMárcio Nakane, economista da Fundação Instituto de PesquisasEconômicas (Fipe). "Esse aumento da previsão para o ano reflete um novembroacima do esperado e uma taxa alta prevista para dezembro",disse o economista. A estimativa supera a inflação apurada na capital paulistaem 2006, de 2,54 por cento, segundo informou a Fipe. O prognóstico para a inflação em dezembro é de 0,88 porcento, bem acima da taxa de 0,47 por cento vista em novembro.Economistas ouvidos pela Reuters previam uma leitura de 0,29por cento para o IPC-Fipe do mês passado. O dado de novembro ficou acima do esperado em razão da altade 1,75 por cento dos preços de Alimentação. Essa variação deveacelerar para 2,35 por cento em dezembro, segundo Nakane. "Este definitivamente foi o ano da inflação daalimentação", afirmou o economista. Os preços dos alimentosneste ano refletiram problemas de oferta interna e externa--como safras prejudicadas por clima--, maior demanda poralguns produtos e elevadas cotações internacionais decommodities. No acumulado de janeiro a novembro, o grupo Alimentaçãoapresenta a maior alta entre os componentes do Índice de Preçosao Consumidor (IPC) da Fipe, de 10,5 por cento. COMBUSTÍVEL MAIS CARO Outra pressão que já se mostrou em novembro e também deveráganhar força neste mês é o álcool combustível, em razão daentressafra da cana-de-açúcar. A previsão de Nakane para ogrupo Transportes em dezembro é de alta de 0,87 por cento, ante0,50 por cento em novembro. Despesas Pessoais --que inclui viagens-- e Vestuário sãopressões sazonais desta época do ano, em razão das festas e dasférias. Nakane espera para esses grupos avanços de preços de,respectivamente, 0,60 por cento e 0,65 por cento, ambossuperiores às taxas do mês anterior. E a aceleração da inflação não termina com o fim do ano,lembrou Nakane. Em janeiro, o reajuste dos preços de educaçãocostumam influenciar fortemente o índice. A projeção inicial do economista para a inflação em SãoPaulo em 2008 é de 4 por cento, mas ela deverá sofrer ajustesao longo do próximo ano. (Reportagem de Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.