Inflação em SP sobe 0,86% na 3a quadrissemana de agosto

O Índice de Preços no Varejo (IPV) da terceira quadrissemana de agosto ? período de quatro semanas encerrado na terceira semana deste mês ?, calculado pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio), voltou aos níveis do fechamento de julho, com uma taxa de 0,86%. Na segunda quadrissemana de agosto, a alta havia sido de 1,02% ante 0,90% do primeiro levantamento do mês. "Esta elevação veio dentro do esperado", afirmou o assessor econômico da Fecomercio, Altamiro Carvalho, que manteve a projeção da Federação do fechamento do IPV no mês, de 0,80% a 1,00%. Segundo ele, ao final do ano, o índice deve chegar a 9%, ou seja, 0,54 ponto porcentual abaixo do acumulado do indicador atualmente, quando analisado no período de 12 meses."Isto dependerá do aquecimento da economia no mercado doméstico e do comportamento do preço do petróleo internacionalmente", afirmou. "Mas não devemos ter surpresas em relação aos preços", completou. No ano, o IPV acumula elevação de 6,93%.Vestuário volta a contribuir com IPVA deflação de 2,81% registrada em Vestuário voltou a contribuir com o resultado do IPV. A queda generalizada dos preços deste segmento na terceira quadrissemana de agosto fez com que Semiduráveis fosse o único dos cinco grupos a apresentar deflação no período, com uma queda de 0,44%. A baixa só não foi maior porque Tecidos (3,14%) e Calçados (4,15%), que pertencem ao mesmo grupo, mantiveram alta.A queda dos preços de Vestuário deve permanecer até o final de setembro, na avaliação do assessor econômico da Federação, Altamiro Carvalho. "Até o fim do próximo mês, os lojistas estão fazendo pedidos para a próxima coleção e eles necessitam de capital de giro", disse. "A hora de aproveitar as liquidações é agora, acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.