bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Inflação em SP tem a maior queda desde agosto

A cidade de São Paulo teve deflação de 0,22% em maio, segundo divulgou, nesta segunda-feira, Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), pelos dados do Índice de Preços ao Consumidor (IPC). O resultado não só ficou abaixo do piso das estimativas dos analistas do mercado financeiro, que de acordo com apuração do AE-Projeções, iam de -0,20% a -0,08%, como também se apresenta como a maior queda para um mês fechado desde agosto de 2005. À época, a inflação foi negativa em 0,20%. No acumulado dos últimos 12 meses, a taxa está em 1,97% - a menor nesta base de comparação desde julho de 1999 (1,36%). Como ocorreu na terceira quadrissemana do mês, quando o IPC-Fipe veio negativo em 0,05%, a queda dos preços e serviços em maio surpreendeu novamente. Não pela troca de sinais, mas pela intensidade de baixa, uma vez que a própria deflação da terceira quadrissemana levou o mercado e até mesmo o coordenador da Fipe, Paulo Picchetti, a revisarem suas previsões de positivas para negativas.Picchetti, ao ver a queda de 0,05% do indicador na penúltima quadrissemana do mês passado, revisou de 0,10% a sua projeção para -0,10%. A surpresa, segundo ele na ocasião, veio do grupo Alimentação, que acelerou o ritmo de queda de 0,11% para retração de 0,35%, quando os agentes do mercado esperavam que os alimentos mantivessem a trajetória de desaceleração da deflação. Agora no final do mês, os alimentos voltaram a acelerar a velocidade de queda, de 0,35% na terceira quadrissemana para -0,89%.Inflação sob controle Picchetti explicou que a inflação está sob controle. De janeiro a maio de 2006, o IPC-Fipe acumula alta de 0,46%, mostrando que a inflação da maior parte do primeiro semestre na capital paulista não traz preocupações. "Vamos esperar por junho, mas o primeiro semestre de 2006 deve ser o melhor em muito tempo", opinou.Picchetti, que, no final de abril, revisou sua projeção para o IPC deste ano, de 4,5% para 4%, prefere ter em mãos o dado da inflação de junho antes de voltar a alterar sua estimativa para 2006.A pesquisa Focus, divulgada na manhã desta segunda-feira pelo Banco Central, mostrou que a mediana das projeções de aproximadamente 100 instituições financeiras para o IPC-Fipe de 2006 cedeu 0,10 ponto porcentual, passando de 3,58% para 3,48%. "Apesar da Focus, prefiro esperar o fechamento do semestre para reavaliar meus números", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.